Publicado em 30/11/2006 12:10

Bom sinal para o crescimento

O Brasil tem tido melhoras econômicas significativas nos últimos anos

O Brasil tem tido melhoras econômicas significativas nos últimos anos, que levaram o País à situação inédita de um governo iniciar um segundo mandato sem ter que se debruçar sobre uma crise fiscal e de confiança, e sem ter que discutir planos econômicos para debelar a inflação. Outro bom sinal é a redução da taxa básica de juros neste fim de ano, continuando uma trajetória de viés de baixa na taxa de juros. A medida impacta positivamente na economia e aumenta o grau de confiança. Naturalmente que o mercado aqui na ponta, ou seja, no consumo, tende a sentir os resultados dentro de três meses, mas reflete condições de maiores facilidades de crédito mais barato nas compras de natal, e aumenta a confiança para novos investimentos futuros e reduz a dívida do governo. O comércio agradece. Evidentemente isso não exclui a tarefa do governo de reduzir drasticamente seu custo operacional, avançar na reforma tributária e elevar sua capacidade de investir. Também não exclui o compromisso dos parlamentares de colaborar com o País e abandonar a idéia de aumentar seus próprios salários. Isto é vergonhoso para uma classe que precisa resgatar a confiança de toda a sociedade. É preciso dar exemplo. O povo brasileiro não tem nada a ver  com as dívidas contraídas pelos deputados à custa de campanhas milionárias. Temos que avançar com medidas estruturantes no médio e longo prazo.

Welington Rodrigues

Welington Rodrigues

Economia, pós-graduando MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC.
Diretor da Project Consultoria Especialziada, autor do livro "Por que Inhumas é assim?".

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Davi Isaias
01/12/2006 16:11

BOM SINAL PARA O CRESCIMENTO

Parabéns pelo texto. Simples, direto e objetivo e diz tudo o que precisava ser dito. Se todos trabalharem direito, não há como o país fracassar. O momento é bom e promete. Deixa o homem trabalhar.