Publicado em 22/01/2010 04:09

Canto do Pracista - 5º Cap.

MENINA BORBOLETA. JAQUELINE LOBO COSTA.

MENINA BORBOLETA.
JAQUELINE LOBO COSTA.
Os deuses anunciaram....
Hoje dos céus desce a alma de uma borboleta no corpo de uma criança...
Como  um raio de luz branca e alva projetada sobre a terra... foi concebida a menina ...
Num ato de amor... gerou a alma da borboleta no corpo de criança...
Sentiu – se o sopro da vida em seu rosto miúdo e pálido...
Chorou... chorou também sua mãe...
Aquelas lágrimas de cristais desciam sobre a face das duas...
Uma lágrima assim somente aquelas que vem das alturas...
A menina borboleta, voou...voou... teve como testemunha somente o perfume das flores de laranjeiras.
Deixando para trás a tristeza definitiva do rosto de sua mãe...
Mas a menina borboleta voltou...
Com as asas frágeis, pálida quase sem cor, buscou sua mãe...
E a alma voou... voou...
As duas voaram juntas pelas nuvens ...
Brincando, rindo... indo ao encontro do criador...
 
Tentei transmitir o sentimento de perca de uma mãe quando enterra um filho.Jaqueline Lobo Costa
É um sentimento tão secreto entre Deus e os pais que para descrevê – lo é praticamente impossível. Então a melhor forma de falar desta tristeza foi escrever MENINA BORBOLETA.
Era 23 de novembro, já próximo os festejos do natal. A menina foi até a oficina, pegou um abajour de parede que estava entre as sucatas retiradas e disse a mãe – vou fazer uma surpresa para a senhora... um presente de natal.

 
Tereza pediu então que ela se afastasse  pois poderia machucar as perninhas brancas e suaves.
A menina entrou então para a casa, lavou o objeto , colocou uma lata perto de uma tomada, subiu e ligou o fio...
Somente os anjos foram testemunhas de sua partida.

 
Os gemidos de seus pais, os lamentos do coração de sua mãe, a sua ausência na casa,o vazio, a tristeza...
Porém a menina não iria viver muito tempo com a família, desde bem pequena já apresentava problemas sérios de saúde, havia trazido consigo a anemia falsiforme, e estava sempre  em tratamento.  Tereza procurava a filha por entre as cortinas da casa, em baixo das camas... ela nunca se conformou com sua ida para junto de Deus.
Nelson diante do drama da família, como conhecedor de fato da palavra de Deus escreveu em sua lápide: DISSE JESUS: - DEIXAI VIR A MIM OS PEQUENINOS PORQUE DELES É O REINO DOS CÉUS.

 
Foi uma forma que encontrou de expressar seu sentimento de rendição diante da vontade do criador.
Como era um homem religioso e temente a Deus, buscou nas alturas forças e consolo para continuar sua trajetória... Tereza precisava muito dele, dos filhos e de todos que de alguma forma pudessem contribuir na restauração de suas forças.

 
Neste ano não teve o Natal e a magia de Papai Noel se quebrou ...  nas mentes dos irmãos só se passava um sentimento... PAPAI NOEL NOS TRAIU...
LEVOU A ALEGRIA DOS OLHOS DE NOSSA MÃE...Canto do Pracista

Depois daquele final de ano triste e sem Natal, a vida desta família teve que ser retomada. Com a chegada do ano Novo, começavam também o ano escolar da meninada e isto absorvia o tempo de Nelson e Terezinha, pois colocar essa turma para estudar não era fácil. Os filhos mais velhos estudavam no Colégio Inhumas, onde hoje funciona a Prefeitura de Inhumas. Os menores estudavam no Centro de Treinamento de Professores. Era uma espécie de colégio em regime internato para as jovens que queriam ser professoras.  As moças iam para lá estudar e se formar em Magistério e tinham como oficina pedagógica a escola de ensino fundamental. Ali em contato direto com crianças elas podiam desenvolver suas práticas de ensino, monitoradas por uma direção que realmente amava o sacerdócio de mestre. Naquela época o professor era amado, respeitado e admirado pelos alunos e pais. Ele era o educador que levaria a criançada a conhecer o mundo além fronteiras através da leitura.

Os livros eram como manuais de instruções para quem quisesse ganhar asas aos pensamentos mais lindos ou as vezes  mais absurdos da época. Era um meio de ansiar pelas mudanças do governo militarista em que a sociedade inhumense  e todo povo brasileiro vivia submissa.  Haviam saído da época de coronéis e agora  nosso povo guerreiro e forte participava ativamente neste processo de transição pela democracia. Mesmo crianças os nossos pequenos inhumenses tinham nas veias a vontade de mudar algo; estava impregnado em seus pensamentos os atos de subversão.


A escola era linda... Repleta de árvores de fantasias, de imaginações... O lanche era delicioso.. O gosto da sopa de trigo e do doce de abóbora aromatizava toda a escola.  Tinha um ônibus amarelo, daqueles bem antigos como os usados nos Estados Unidos e na sua frente escrito SCHOOL BUS. Era utilizado em passeios, piqueniques, aulas de ciências ao ar livre em contato com a natureza. Nestas aulas se estudava muito sobre o meio ambiente como preservar, porquê do plantar do replantar, a necessidade de se ter uma horta, de fazer o plantio de árvores de criar galinhas, cultivar verduras e legumes... e as crianças comiam aquilo que produziam.  As sopas eram deliciosas... Tudo nesta escola tinha sabor de infância. Aquela infância em contato com a terra, sol, água, dedos machucados joelhos ralados... Brincadeiras inocentes onde o foco era determinante para que na fase adulta a criança tivesse impregnado em seu caráter a formação de família. Não a infância de hoje... Fria, vazia, triste, sem pai nem mãe onde a principal presença é do computador, dos jogos eletrônicos, da solidão e das babás estressadas. Onde  a criança já sofre humilhações e agressões desde bebês...Este novo tempo é o tempo de vida agredida, deturpada, e na maioria das vezes violentadas...


Para  que as crianças fossem  alfabetizadas,  primeiro se criava  os personagens... Aqueles mágicos que induziam a criançada a sonhar e sonhar com um mundo surreal, trabalhava se artes... As vezes personagens feitos de papel machê... jornais, reciclava papéis, outras vezes teatro, música e só depois de muito explorado o tema é que iriam ter acesso as palavras. Palavras estas que os fariam ganhar o mundo... Sairiam do trabalho manual e se tornariam emergentes no mundo globalizado. Tudo o que podemos ver ouvir e sentir de mudanças que aconteceram ao longo da metade deste século. Mudanças climáticas, de comportamento social, a valorização eminente do poder aquisitivo...


Como para ganhar o mundo e adquirir conhecimentos estava tudo ligado a leitura, movimentos foram surgindo e para fugir do autoritarismo dos militares as idéias então; eram planejadas e introduzidas dentro das escolas. Ali estava focado toda a voz da humanidade que se libertariam através de um grito jovem e instruído.(mestres e alunos) Nesta época não tinha liberdade de imprensa, os movimentos estudantis eram duramente afogados pelo ódio dos militares.Jamais eu poderia estar aqui relatando estes fatos, era PROIBIDO falar do governo.


As  músicas que falavam de liberdade de expressão eram estudadas nas escolas como sendo inocentes e por detrás deste sentimento a vontade voraz de mudar o nosso país de terceiro mundo , pobre, muito pobre, pobre até de espírito, nossos alunos e professores trabalhavam incansavelmente e alimentavam a alma de justiça deste jovens nascidos das Goiabeiras. Dalí sairiam vários homens políticos fortes e de presença marcante na vida pública. Homens que vergariam mas não iriam quebrar nunca. Vozes estas, que quando tivesse o poder de serem ouvidas iriam mudar para sempre os caminhos do povo simples tragado pelos militares. Daquele povo acostumado somente com a lavoura e a simplicidade do homem do campo e das pessoas nascidas nas goiabeiras.


Mas daqui sairiam muitos médicos, arquitetos, escritores, artistas plásticos , pedagogos (Nelson Arantes que se formou aos 77 anos de idade) e muitos homens que fariam toda a diferença da vida política do Brasil. Não somente a vida pública; mas iriam abraçar o século XXl como se fosse um projeto posto em execução, desta geração de pessoas que dariam asilo para as almas cativas, mas que se tornariam eternamente responsáveis pelas atitudes de LIBERDADE conquistada.


Mas em meio a tantas mudanças, nosso casal apaixonado buscava forças nos desafios da vida... Continuavam a caminhada com sua família; crianças iam estudar Nelson trabalhando sempre e ensinando o ofício de mecânico para a turma de meninos. Nelson; o apaixonado... Tinha como hábito colher rosas e presentear sua amada. A noite suas canções de amor continuavam a ser ouvidas pela vizinhança. Na oficina a garrafa de café estava sempre a espera de seus fregueses e amigos que por lá passavam.


Às seis horas da tarde, a cidade era tomada pelo som dos sinos da igreja matriz que anunciava a hora da Ave Maria. Na Avenida Bernardo Sayão havia um auto falante que a cada dia um inhumense rezava. Era feito através deste auto falante, os avisos mais importantes da cidade. As serenatas eram a forma mais eficiente entre os amantes de declararem seus sentimentos... As rosas eram sempre as acompanhantes dos namorados e das serenatas.  Era um costume entre as jovens da cidade ganhar do primeiro namorado uma jóia feito com ouro e cocos. Os sentimentos eram mágicos. A sensação do primeiro amor, do primeiro beijo, os sussurros dos jovens que estavam a descobrir o significado da temperatura do amor.


O point de encontros era a Praça São Sebastião com a fonte luminosa e a famosa CABANA AO LUAR, que acontecia na quadra de esportes no mês de julho. Inhumas foi palco de muitos romances bem sucedidos... E o nosso jovem pracista foi um grande protagonista deste realit show.

Mara Arantes Costa

Mara Arantes Costa

Nasceu em Inhumas aos 24 dias do mês de dezembro de 1958, filha de Nelson Arantes Costa e Terezinha Lôbo Costa.
Busca transmitir aos inhumenses a importância dos fatos históricos ocorridos e fundamentaram o passado da história dos cidadãos inhumenses. Busca mostrar a força contida nos filhos da cidade das Goiabeiras.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

sem nome
24/02/2010 08:32

mara

mara sou seu fã. nunca li tamanha obra de arte escrita com a alma. Espero que o tudoin poste novos capitulos. tenho certeza de que sua obra intriga a maioria dos inhumenses. parabens pelo livro virtual. beijos no coração quem muito te ama EU
angelina
23/02/2010 07:22

mara

quando sairá o próximo capítulo? Estamos anciosos para conhecer mais. Parabéns pelo sucesso. angelina
marta
21/02/2010 09:16

linnndoo!

Mara, parabéns pela sabedoria que você tem usado para relatar a história do pracista. Tem um "q" que emociona e convida para o próximo capítulo.
maria expedita rocha
14/02/2010 08:35

não tenho palavras

quem conhece a mara não conhece a sua sensibilidade. para telas para escrever para ajudar as pessoas. voce é muito superior a todo tipo de sentimentos. sou sua fã. não consigo expressar o que vc é de fato. seja vc mesma e não deixe que sentimentos baixos te atinjam. maria expedita rocha frança.me foge as palavras
araujo jorge
12/02/2010 01:51

superação

mara vc é um exemplo de superação e mostra a varios pacientes que o tratamento de ca da certo. a cada dia que passa vc esta melhor como pessoa, como amiga, escritora, melhor em tudo que faz. parabens. estamos orgulhosos de voce. beijos no coração
adelmo
12/02/2010 01:48

mara

a cada dia que se passa te conheço melhor e te admiro mais ainda como pessoa dotada de sentimentos fortes e de muito amor pelos seus filhos netos e pela sua familia. me sinto honrrado de fazer bodas de prata junto com vc. te amo. adelmo.
Rosana Alvarenga de Rezende
10/02/2010 05:14

Parabens!!!

Mara, talvez voce nem lembre mais de mim,mas pude viver os momentos da perda de sua irmãzinha, eramos muito pequenas nunca esqueci aquele dia,o desespero de um monte de Mães.
Já faz uns bons anos que mudei de Inhumas, mas minha infância foi junto com voces na Igreja Presbiteriana.Continue escrevendo pois ,vc retrata perfeitamente a minha infâcia.Beijos
Rosana
Santa Rita do Araguaia - Goias
lays
03/02/2010 03:40

mara

mara este capitulo foi o mais lindo que vc ja escreveu. aqui vc nos mostra que a vida é de amores e de desabores. de horas boas e ruins e vc evidencia isto com uma serenidade nas palavras escritas por uma pessoa sensivel como vc. parabens abraços lays
elizabeth de sousa lino
30/01/2010 01:39

capitulo 5

amei ver a foto de tua mae... eu a amava demais...ela tbem!!parabensss... continuo agardando mais surpresas...
PAULO CESAR ARANTES COSTA
28/01/2010 08:48

CAPITULO 5

Mara acho que nossa mãe dotou todos os seus filhos de asas, nossa queque como uma borboleta voo primeiro para um voo muito distante, que nos ainda não conhecemos, daí buscou nas suas asas a nossa Terezinha, depois o Toninho, que juntos levaram o Papai.
Nossos voos ainda são voos baixos, voos por aqui mesmo onde de vez em quando podemos voar até Goiânia e matar a saudade uns dos outros.
Um dia cada um dos filhos alados da Terezinha e do Sr. Nelson voará ao encontro deles. Por enquanto ficamos por aqui, uns em Goiânia, outros no Maranhão, no Piaui, no Ceará, outros fora espalhados pelo mundo e eu aqui no Uruguai com muita vontade de voar ao seu encontro ai em Goiânia para mais um vez matar a saudade. Ainda posso sentir o cheiro da orquidea que esta nos braços da nossa mãe. Te amo minha irmã.
Ana Carolina Lino Costa
23/01/2010 05:54

Tia Jaqueline

A vida inteira escutei meu pai falar da vida e morte da Tia Jaqueline, porém, fazer desta passagem um primor em poesia é surpreendente à todos que conhecem esta história. Mais uma vez: PARABÉNS PELA OBRA!!!
Júllia Karolyna Lôbo Costa
23/01/2010 03:22

Parabens.

Tia Gostei muito do 5° capitulo ... Parabens..
LAYS
22/01/2010 18:11

att mara

olá mara, fico emocionada ao ler seus contos.saudades e saudades de inhumas da nossa infacncia de tudo que nos cercava. beijos lays
Fernanda Crisina
22/01/2010 12:59

att:Mara

Mara adorei sua história sou sua fã, você escreve a história com muita emoção que sensibiliza a todos que lêem . Parabéns!!E continue sendo essa pessoa maravilhosa.
celina
22/01/2010 07:32

att sentimento ao escrever

mara hoje chorei muito ao ler como voce consegue descrever o sentimento de perca pelo qual seus pais passaram. este sentimento é aquele de saudade que nunca passa, inconfundivel, que dura para sempre. parabens amiga. quanto mais te conhecemos mais te amamos e amamos seus escritos; pois vc os faz com a alma.
miguel
22/01/2010 07:11

att canto do pracista

mara sou seu fã.; narrar fatos é fácil ; mas sentimentos somente para alguem especial como voce. beijos te amamaos.
turma do cgo
laury
22/01/2010 05:35

maravilhoso

oi mara, achei lindo e emocionante sua saga de amor. parabens . laury