Publicado em 10/12/2009 06:20

Canto do Pracista 4º Cap.

Confira as novidades do 4º capítulo do Canto do Pracista.

Desta união nasceram dez filhos. Cada um com personalidades bem diferentes. Não só de uns pelos outros mas também pela juventude da época. Eram polêmicos, destemidos, determinados, o que os fazia se diferenciarem totalmente no meio social.

Depois da família fazerem várias mudanças, Nelson comprou a casa da avenida Bernardo Sayão. Na época a rodovia GO-070 passava por dentro da cidade, na porta da casa do casal. E a profissão mais antiga do mundo tinha como logradouro o lado de baixo da avenida.

Nelson, depois de muito pensar em como distinguir sua família das demais ali estabelecidas, escreveu no muro a seguinte expressão AQUI FAMÍLIA. Isto fazia com quem ia em  busca de divertimentos com mulheres não se atreviam a chegar nem perto da casa de Nelson.

Naquela época; época esta em que a vida sossegada estava chegando ao fim, e que já anunciava  os sinais de progresso, os filhos do casal não pararam no tempo; a cabeça de cada um avançava conforme os fatos históricos  relevantes que mais tarde iriam compor a história do mundo. Mesmo no anonimato esta geração que estava alcançando espaços faria uma modificação completa no planeta.

A infância foi muito gostosa e ao mesmo tempo, aconteceram  fatos que marcaram e mudaram para sempre a vida de Nelson e Terezinha. Dinorah nunca deixou de ser quem era. Sempre colocando as pessoas contra a parede e praticando seus atos de maldades.

Era uma mulher bonita dos olhos azuis, a expressão do rosto marcante e dotada de uma personalidade difícil de ser contida. Até nas brincadeiras com seus netos ela não deixava muitas vezes de ser má. Era acostumada a colocar uma coberta nas costas um chapéu e encher o rosto de borra de café para passar medo nas crianças!

Brigava muito com seu Luiz, empregados e com os filhos. Mas ao mesmo tempo gostava de doar. Parte do terreno do cemitério Santana , o terreno onde hoje é a Agencia Prisional de Inhumas foram algumas de suas doações. Ajudava muito a igreja católica, enfim gostava também de fazer algo bom.

Num determinado início de noite,  Dinorah e Luiz tiveram  uma discussão, nunca souberam de fato o que aconteceu. Em meio ao silêncio ouve-se o estampido de um tiro. Luiz jaz sobre a cama.

Um tiro certeiro no coração, levou sua vida...

Muitos mistérios e mitos envolveram esta morte em Inhumas. Ninguém nunca  conseguira explicar o fato, ainda mais quando envolvia a personagem Dinorah, nem autoridades se atreveram a desvendar o acontecido.

Tereza como era apaixonada pelo pai sentiu imensamente a partida repentina dele.

Ela estava grávida do seu penúltimo filho... Ficou acometida de uma profunda tristeza. Ninguém nunca lhe explicara de fato o que ocorreu naquela noite. Esta dúvida acompanhou Tereza por toda sua existência...

E a vida continuou em meio a tantas divergências...

Na casa da família, trabalhavam sempre pessoas prestando serviços. Havia uma pessoa para lavar as roupas, pois não tinha máquinas de lavar e as roupas usadas em oficina de carros eram muito sujas. D. Geraldinha lavava, fervia e passava a roupa da casa. D. Cota além de ser babá também cozinhava. D. Benedita ia aos sábados para fazer quitandas e encher as latas da dispensa para passarem a semana. Silvinha era a arrumadeira e passadeira de roupas da casa. A moça alta era a Gentil, que também ajudava nos afazeres da casa. Maria Manca ajudava nos serviços pesados. Era uma imensa residência com horta, pomar... e estava sempre em construção mudando algo de lugar.

A necessidade de ter tantas pessoas envolvidas com a casa tinha uma explicação.Tereza não enxergava o suficiente para a lida da casa e ainda mais com sete meninos. E todos tinham que trabalhar e ajudar o pai na oficina.

As três meninas: a mais velha se casou bem jovem e as outras viviam ali em meio a tanto tumulto que a catrelagem provocava no dia a dia. Ali vivia o casal e filhos,e  mais filhos de vizinhos. Era uma meninada e tanto. As noites eram repletas de brincadeiras e confusões de crianças.

O casal sentava a porta da casa e Nelson tocava violão e cantava, nosso pracista nunca deixou de encantar com seu canto a sua amada.  E em meio as canções de amor, Nelson também cantava músicas engraçadas ( o amor de duas caveiras), durante a música criava-se um suspense... era a brincadeira preferida da meninada com o pai... Enquanto isto brincavam de salve latinha, pique esconde, camoom, pulavam corda, jogavam peteca e contavam histórias, brincavam de circo.Os lençóis serviam para armar a tenda do circo e  redes improvisadas serviam de trapézio. As sombrinhas tinham o papel de  equilibrar nossos pequenos artistas em cima das cordas...

As  histórias preferidas eram as de terror, que falavam sobre lobisomem, mula sem cabeça, conde Drácula e várias outras...Aquelas que de alguma forma pudesse passar um susto em alguém. De preferência algum visitante.

Nesta época era muito comum intimidar a criançada passando medo com algum tipo de história  ou personagem, mas nossos pequenos não se intimidavam e tornava as situações em comédia e utilizavam disto para rir deles mesmos quando caiam na própria cildada.

Na cidade de Inhumas tinha um senhor bem baixinho, que andava de terno escuro quase sempre sem tomar banho, os pés bem pequenos e nunca fazia a barba. Era ele o Chico Taboca, o barbeiro oficial dos filhos de Nelson. Ele cortava os cabelos dos meninos todos de topete parecendo militar. Isto era a morte para esse meninos tão ousados.

Na verdade o que eles queriam mesmo era ter cabelos compridos, loiros mesmo que fosse a marra, dar cavalos de pau, brigar na escola, quebrar vidraças...

E para não ficarem por baixo de terem os cabelos cortados assim, por este homem e ainda por uma máquina de raspar manual que mordia e mascava os cabelos, a turma de moleques colocaram um apelido no tal homem. Diziam ser ele o próprio lobisomem.

Tereza vivia ali em meio a tanta confusão de meninos e praticamente sem enxergar.  Ela conhecia os talentosos pelo andar, falar e até mesmo nas artes mais terríveis que por lá aconteciam. Nelson trabalhava muito na oficina; dia e noite, e ali juntos estavam Terezinha, as crianças e uma garrafa de café para os fregueses da oficina. Nunca que alguém  chegasse por lá e que não tivesse o famoso cafezinho.

Os natais eram mágicos. Além das atividades natalinas da igreja tinham também as noites de Natal em casa. Durante os teatros da igreja os papéis preferidos dos filhos do Nelson era representar os anjos ou então os reis magos, uma contradição por tudo que aprontavam.

O cheiro de Natal pairava no ar. As crianças viviam num mundo tão mágico que podiam ver nos céus estrelados de Inhumas o vôo rasante das renas que puxavam o trenó do Papai Noel e ouvir as gargalhadas do bom velhinho.

Mas, acima de todos os sentimentos natalinos, Nelson e Terezinha conseguiram transmitir a seus filhos o verdadeiro sentido da data. O NASCIMENTO DE JESUS CRISTO EM CADA CORAÇÃO. Transmitiu também o amor uns pelos outros, o respeito e temor a Deus nosso criador.

Nelson era um homem muito religioso e austero. Mas a turma de filhos eram polêmicos e aventureiros.

No natal ele saia a  procura de uma árvore de cipreste, cortava a guia e levava para casa... depois de colocada a àrvore na lata de areia, era toda enfeitada pela crianças. Este espírito do Natal iria acompanhar esta família para sempre de geração a geração.

As festas em casa eram preparadas com muito amor. Nelson ia pra São Paulo buscar presentes e cestas natalinas para a comemoração do nascimento do Menino Jesus. Tereza precisava da ajuda de todos. Uns arrumavam a mesa, outros a arvore,o lanche do papai Noel, a chave ( aquelas bem grandes ainda)  era colocada fora da fechadura da porta principal da casa para que Papai Noel pudesse entrar sem problemas...

Sem contar que o sonho da meninada era ter uma lareira por  onde o velhinho pudesse descer. Mas sempre aparecia algum dos pestinhas e aprontava uma arte, tiravam os melhores chocolates das cestas ( na época era o bombom prestígio ) quebravam as castanhas nos portais, comiam as castanhas e deixavam as cascas para enganar... rasgavam os papéis de presentes pelo cantinho para ver o que era ... e utilizavam de todas as artimanhas de crianças...

Na casa havia uma tuia onde se guardava feijão, arroz, latas de gordura com carne, caixas de doces de goiaba que era feito com as frutas da cidade, e também as cestas de vime onde ficavam guardadas as delícias do natal. As cestas vinham recheadas de guloseimas ainda raras por aqui, pois tudo vinha de São Paulo. Enfim uma infinidade de coisas  que as crianças amavam, pois era difícil a família que tinha acessos a este tipo de alimentos. O refrigerante preferido de todos era a krush, uma bebida com sabor de laranja.

Mas este delicioso refrigerante trazia consigo uma terrível realidade para nossos adorados meninos. Na época cuidava-se bastante da questão de vermes,  pois não tinha água tratada e nem sistema de esgoto. Então o tratamento era feito com um lombrigueiro chamado PANVERMINA que era ingerido de madrugada junto com o refrigerante. O remédio, se é que assim podemos chamar; era uma capsula enorme contendo  óleo e quando abria dentro do estomago era aquele gosto horrível de NÃO QUERO NUNCA MAIS.

O carro da família sempre tinha que ser grande; pois para carregar este número de crianças era praticamente impossível. Certa vez Nelson chegou de São Paulo com uma caixa enorme dentro da Kombi...Adivinhem... era a primeira TV da família e uma das poucas existentes na cidade .Era preto e branco, mas com esta turma da pesada, até a TV  até ficava colorida com papel solofane. Foi o melhor presente de natal que todos, inclusive as crianças da vizinhança já haviam recebido.

Nas tardes todas as crianças tomavam banho, esfregavam os pés com sabugo de milho torrado que era pra tirar o macuco...jantavam e iam todos para a casa do seu Nelson assistir TV. Mas nosso pai de família, não deixava que as crianças tivessem acesso a certos programas.Era proibido assistir  novelas que tinham beijo (redenção) a família Brother, o Conde Drácula... Só se podia assistir desenhos. Mas era o máximo poder ver na TV todos os sonhos de criança se realizando.

Era um deleite para todos assistir a programação chupando pirulitos feitos de melado de cana pela  Das Dores... aqueles feitos na forma de madeira usando um canudinho de  papel de raia.As vezes no lanche era servido a espiga do milho cozido lambuzado com manteiga de leite.

Outras vezes pamonha quentinha, pé de moleque feito com rapadura, e leite com goiabada. Biscoitos de queijo, peta, pão de queijo, Mané pelado...

Era aquela meninada misturada com coelhos, miquinhos, papagaios, terra vermelha, casa de piso vermelhão... a criançada da vizinhança... e muita traquinagem cometida pelos anjinhos.

Ali vivia uma família que mesmo desde o início fugiam as regras da época.

Em 1968, aproximando as festas do Natal, a família é acometida por uma triste tragédia.

Mara Arantes Costa

Mara Arantes Costa

Nasceu em Inhumas aos 24 dias do mês de dezembro de 1958, filha de Nelson Arantes Costa e Terezinha Lôbo Costa.
Busca transmitir aos inhumenses a importância dos fatos históricos ocorridos e fundamentaram o passado da história dos cidadãos inhumenses. Busca mostrar a força contida nos filhos da cidade das Goiabeiras.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Shukdar
18/06/2014 22:22

Nice post. I realize

Nice post. I realize simotheng tougher on different blogs everyday. Most commonly it really is stimulating you just read content off their writers and use just a little simotheng there. I’d choose to apply certain together with the content material on my weblog regardless of whether you don’t mind. Natually I’ll provide a link for your internet weblog. Many thanks sharing.
mara
22/01/2010 04:09

att marcelo basilio

oi marcelo fiquei muito feliz de saber que vcs mesmo de tão longe leem a historia de minha familia. meu pai e o seu foram grandes amigos. abraços a tdos e na margareth. mara
marcelo basilio
21/01/2010 17:17

DE BOSTON

AQUI DE BOSTON ESTOU AGUARDANDO O PROXIMO CAPITULO,E MUITO BOM LER HISTORIAS DE INHUMAS,PRINCIPALMENTE DO SEU NELSON E FAMILIA.
MARA
20/01/2010 14:58

att leitores

oi pessoal estou aguardando a nova postagem , creio que será em breve. obrigada pelo carinho de tdos mara
celima
13/01/2010 08:39

att

oi tudoin sai ou não o proximo capitulo??????????????????por favor pelo menos resopondam se vai sair ou não.
celina
05/01/2010 14:26

o canto do pracista

e ai pessoal sai ou não o próximo capitulo???????????????
lays silva
05/01/2010 14:24

e o próximo?????

ei pessoal do tudoin sai ou não o próximo capitulo?????????????? ano novo..... novidades ........
celina
30/12/2009 02:44

menina borboleta

oi pessoal do tudoin, eu gostaria de saber quando é que voces irão postar o menina borboleta???? e o próximo cap.???
Júllia Karolyna Lôbo Costa
27/12/2009 11:47

...

gostei mto do 4° cap. , mas quando sera o 5° ???
Flávia Arantes
26/12/2009 15:55

ATT:SR NELSON

TIA, FIQUEI EMOCIONADA COM ESSA INFÂNCIA Q VCS TIVERAM E ME TROUXE UM POUQUINHO DA LEMBRANÇA DA MINHA, JÁ QUE O MEU PAIZÃO SEMPRE ME TRAZIA UM PRESTÍGIO!
BJOS
suely
26/12/2009 15:41

att mara

oi amiga, parabens por mais esta superação da sua vida. o conto esta lindo. beijos
helena conserva
23/12/2009 17:48

Amei seus trabalhos

Adorei seus escritos, o conto e por ser orientadora sobre a historia dos cidadãos inhumenses.
renato
21/12/2009 17:19

atenção d. mara

atenção d. mara, parabens pelo aniv. natal.ano novo vida nova. obs. urgente esvazie sua caixa de emails.todas as mensagens estão voltando.beijos beijos beijos seu fã renato
lays
21/12/2009 17:13

felicidades

mara, sou muito feliz por ter vc na minha lista de amigas. voce é muito especial pois esta sempre dando de si para quem precisa. torço que em 2010 seu livro seja descoberto por alguem que o edite. vc merece todo o sucesso, pois para entrar num hosp. e tocar, rezar e cuidar de um doente que vc nunca viu, somente alguem com um coração conforme o seu . te desejo saude paz p que vc continue auxiliando sempre. beijos
maria isabel
21/12/2009 12:34

parabens

parabens pelo seu ato de superação. feliz aniversario, natal e ano novo. beijos da turma da santa casa
marta
21/12/2009 08:18

O êxito

"O êxito na vida não se mede pelo que você conquistou, mas sim pelas dificuldades que superou no caminho."
É o que vejo nesse seu trabalho de escritora: o ~exito superando as dificuldades. Abraços!
maria de fátima
21/12/2009 04:38

comunidade vencedoras do cancer

olá amiga, parabéns. cada dia que passa vc mnos surpreende mais. parabens pelo trabalho no hospital monte sinai. parabéns pelo conto, depoimentos, visitas, aniversário, natal, e ano novo. seus pais devem estar orgulhosos de vc . beijos te todos os pacientes da uti monte sinai
joelma andrade
21/12/2009 04:34

natal

oi mara, estou muito feliz por vc continuar escrevendo a vida de sua familia. parabens pelo sucesso que já é sua história. nós do araújo te desejamos saude, feliz aniversario, feliz natal e 2010 de grandes sucessos. são os votos de quem conta com seu apoio. beijos no seu coração. turma de amigos do araujo
Luiz Júnior
16/12/2009 17:37

Sensações

Dona Mara, a cada palavra escrita é como se estivessemos vivido naquela época, pessoas como a senhora fazem com que as palavras tenham novos encantos... Realmente nos surpreendemos com seu conto, sua história de vida e nos sentimos presentes em uma época cheia de regras e tabus.. Parabéns novamente.
renato
15/12/2009 01:30

o canto do pracista

mara escritores que narram fatos é fácil; mas escritores que narram sentimentos e faz com que os leitores os sintam é DOM. Parabéns.
Jhennifer Grazielly
14/12/2009 17:41

Adorei . . .

esse capitulo ficou otimo , eu adorei -
essa historia é realmente encantadora !
claudiomir
13/12/2009 18:09

obrigado

obrigado pelos ensinamentos que nos deste , vc é muito linda e sábia , bjos.
giselli
13/12/2009 17:38

att nelson

que delicia poder lembrar da minha infancia. continue mara. não pare de escrever.
Tiago Arantes
13/12/2009 03:26

O conto

É hoje podemos ver a diferença entre a vida anos atrás e a vida hoje, existiam dificuldades como não ter uma certa tecnologia mas a harmonia e a paz reinava sobre as famalias, agora o que temos é apenas um computador e uma telefevisão que servem apenas para separar irmãos, pais e amigos. E depois de algum tempo infelismente iremos olhar para traz e ter apenas esta certeza...que o tempo passou e que deixamos passar as verdadeiras coisas importantes da vida... familia e amigos.
adelmo de souza
12/12/2009 17:14

vida do general

querida, fico muito orgulhoso de vc, ao vê-la escrever sobre a vida do meu sogro ( general) e decrever tão bem a minha sogra que não conheci.parabéns
Natascha Sá
11/12/2009 14:09

4º capítulo

Parabéns tia, adorei a minúncia com que esse capítulo foi retratado. Um exemplo para os jovens que não viveram aquela época e que não dão valor ao que possuem hoje!
Um grande beijo e sucesso sempre para os próximos capítulos!
lourdes
11/12/2009 08:07

ipgo

oi pessoal do ipgo, pegue o canto do pracista como propaganda pois naquela época bastava amar para se ter filhos. inove . renove IPGO
nilva
11/12/2009 07:51

que legal

que legal ver uma propaganda de fertilidade numa pag. como esta que fala de um casal com dez filhos. parabens tudoin e a escritora; continuem assim. talvez alguém se permita ter mais filhos neste século.
maria
11/12/2009 07:46

nossa infancia

mara achei o máximo descobrir vc por aqui e contando da nossa infancia.achei que ninguem nunca se lembrasse de nós. obrigada pelo carinho. espero v´-la breve por aqui. beijos
raquel
10/12/2009 12:06

o canto do pracista

parabéns pelo novo capítulo.Esta cada vez melhor. o pessoal que faz tratamento junto de vc estão todos orgulhosos. voce pra nós é exemplo. saúde amiga. beijo no coração
lays
10/12/2009 12:03

o quarto capitulo

mara estou emocionada ao ler seu conto. cada dia ele fica mais rico, interessante , romantico e as vezes comico. inhumas está de parabnens por esta filha que é uma guerreira. abraços lays
ADOREI TIA
10/12/2009 11:39

NOSSA MUITO BOM

NÃO CONSIGO IMAGINAR O MEU PAI NESSA BAGUNÇA TODA
MUITO BOA A SUA HISTORIA, QUANDO SAI O 5° CAPITULO ??

BJOOOSS
PAULO CESAR ARANTES COSTA
10/12/2009 11:38

NOSSA INFANCIA

MARA VOCE SOUBE TRANSMITIR EM POUCAS PALAVRAS O NOSSO MUNDO DIFERENTE DOS DEMAIS, REALMENTE VENDO DE LONGE, NÓS FOMOS SEMPRE DIFERENTES DOS PRIMOS, DOS AMIGOS E POR ISSO, MUITO DISCRIMINADOS AS VEZES, MAS ACIMA DE TUDO MUITO FELIZES, POIS NÃO ESTAVAMOS A FRENTE DE NINGUEM, APENAS SEGUIA NOSSO CORAÇÃO. TENHO MUITA SAUDADE DE UMA INHUMAS QUE NAO EXISTE MAIS. MUITA SAUDADE DE TODOS OS NOSSOS AMIGOS. ESTE CAPITULO VOCE ABRIU ESTA JANELA DO MEU CORAÇÃO.
TE AMO MUITO MINHA IRMÃ.
AMANDA ROCHA
10/12/2009 10:53

COMENTARIO

NÃO VIVI NESSA EPOCA, MAS LEMBREI BASTANTE DA MINHA INFANCIA... AS BRINCADEIRAS, MINHA MÃE FAZIA UM BOLO COM O REFRIGERANTE KRUSH. UMA HISTORIA MUITO LINDA, RICA EM SENTIMENTOS... UMA HISTORIA REAL.
antonio
10/12/2009 09:40

nossa infancia

kkkkkkkkkkkkkk que delicia lembrar daquela época. éramos felizes e não sabíamos.Jamais vou me esquecer daquela
confusão de meninos na oficina . abraços
elizabeth
10/12/2009 08:29

quarto capitulo

Mara adorei este capítulo.ele ficou tudo de bom. como é gostoso lembrar da nossa infancia. que saudades. este foi o melhor presente de natal para mim. beijos