Publicado em 24/07/2006 19:37

Dédalo e Ícaro

É dito que as palavras são como uma espada de dois gumes; têm o poder de ferir e reconstituir feridas...

É dito que as palavras são como uma espada de dois gumes; têm o poder de ferir e reconstituir feridas; poder de destruir e de edificar. Busco este pensamento para iniciar este texto que tem por finalidade descrever e refletir sobre a arte de ser professor.

 
 A partir da leitura e reflexão de um texto feito em uma de minhas aulas no Ensino Médio, as palavras de um aluno revolucionaram meus conceitos e atitudes como professor. Líamos Dédalo e Ícaro de Ovídio, poeta romano (ano 8 a.C.), quando as palavras de um aluno vieram como a espada de dois gumes, ferindo, destruindo e reedificando meus conceitos sobre Educação. O Mito conta que:

 
 Dédalo e Ícaro estavam numa ilha construindo um labirinto para aprisionarem uma criatura monstruosa que aterrorizava a população de sua terra. Quando pronto o labirinto, precisavam sair da ilha, porém necessitavam escapar de tal maneira que o monstro não conseguiria segui-los e conseqüentemente fugir da ilha. Assim, Dédalo percebeu que somente voando sairiam de sua prisão. Resolveu fazer asas para ele e para seu filho Ícaro, e utilizando cera e penas, arquitetou-lhes asas para escaparem da ilha e do monstro. Após ajustá-las em seus corpos, Dédalo instruiu seu filho ao vôo e o advertiu dizendo: não voe próximo ao sol, pois seu calor pode derreter a cera de suas asas, nem próximo ao mar, pois as águas ao evaporarem agregarão à cera e suas asas ficarão pesadas demais para seu vôo. Procure o caminho do meio e siga-me. Após a instrução Dédalo alçou vôo e atrás do pai o jovem filho. Ícaro em sua juventude apaixonou-se pelo vôo e esqueceu-se dos conselhos do pai - voou o mais alto que pode. O calor do sol derreteu a cera de suas asas e Ícaro caiu no mar e morreu. Dédalo que voava na frente não percebera do desastre ocorrido com seu filho, porém ao verificar o vôo do filho, viu limpo o céu e as penas das asas e o corpo de Ícaro arremessados e estilhaçados sobre as águas.

 
 A reflexão sobre o texto naquela aula foi intensa. A sala recordava de momentos em que não haviam sofrido por não ouvirem os conselhos dos pais ou de outros em que sofriam por terem pais autoritários e controladores. Falavam da importância de aprenderem a voar e serem livres para decidirem sobre suas vidas. Falavam dos momentos em que tiveram a cera de suas asas derretidas. Falaram dos tombos e quase afogamentos.

 
 Os defensores do vôo livre pontuavam sobre a importância de caírem e justificavam suas falas na idéia de que: para conhecer é necessário experimentar. Outros eram eloqüentes contra esta idéia e defendiam o pensamento de aprendermos somente com os conselhos daqueles que já viveram experiências semelhantes às nossas, evitando assim tombos desastrosos e possivelmente afogamentos.

 
Éramos 38 alunos. Incluo-me entre os alunos, pois também compartilhei minhas histórias, angústias e medos tidos como filho. Literalmente a sala estava contaminada com a história de Ícaro, e foi no meio da turbulência das águas que a voz de um aluno foi como um vento que acalmou a tempestade: "Acho que Dédalo errou. Ele aconselhou o filho, mas não ficou ao lado dele. Se o pai tivesse voado lado a lado com o filho, ele não teria caído. O problema é que muitas vezes os pais falam pra gente fazer as coisas, mas sabemos que fazem diferentes". Este aluno em seguida desabafou, falou de suas angústias como filho, como aluno e como um "excluído". Suas palavras deixaram meus olhos marejados. Tinha ali à minha frente um aluno que pedia socorro, que queria desafiar os limites de seu vôo, mas ainda não havia encontrado alguém para voar com ele. Sua voz gritou em meus ouvidos durante muitos dias, o que resultou numa profunda reflexão sobre minha prática como professor. Vi as muitas vezes que havia motivado alunos a voarem e até os instruído a voarem; pude lembrar das vezes que havia voado na frente deles para mostrar-lhes o caminho do vôo, porém as cenas das penas e corpos que vi flutuando por sobre as águas insistiam em borbulhar em minhas lembranças. As palavras tipo espada de dois gumes de meu aluno fez-me ver que: dar instrumentos e instruções para o vôo não é suficiente para o alcance do sucesso no vôo; é importante compreendermos sobre a relevância de voarmos lado a lado como nossos alunos. É importante mostrar-lhes a força do sol e do mar ao voarmos com eles, deixa-los experimentar do derretimento das ceras e do acúmulo de água nas asas, porém se estivermos lado a lado com eles, haverá tempo para estendermos nossas asas e auxilia-los até o próximo porto. É necessário levarmos nossos alunos ao alcance da liberdade do vôo e conscientizarmos que a anulação de nossa participação durante o processo de liberdade pode alimentar o crescimento das catástrofes oriundas da libertinagem.

 
 Com meu aluno aprendi que como professor precisamos aprender a participar dos sonhos, aventuras e medos de nossos alunos; temos que compartilhar momentos de tensão e euforia, dividir e construir com eles parte de nossa história. Aquela aula no 1º ano do ensino médio no Colégio Estadual Manoel Vilaverde fez-me voltar à ilha de Minotauro, repentinamente vi-me na posição de Dédalo, construindo as asas para o vôo da liberdade juntamente com tantos outros Ícaros. Vi a mesma euforia e inocência descritas por Ovídio brilharem nos olhos de cada um deles, e às vezes, vejo que nossas mãos esfriam e nossas gargantas secam frente ao céu desconhecido. Sei que a rigidez do sistema mar e o calor da rotina sol podem danificar as ceras de nossas asas, mas carrego comigo as palavras daquele aluno e sei que são sábias e fazem sentido: voar lado a lado faz a diferença.

daniel aldo

daniel aldo

Graduado pela Universidade Católica de Goiás no curso de Letras Português/Inglês; Especialização em docência Universitária
Professor na Universidade Brown - USA - Palestrante no Ensino de Línguas SENAC-SP. Professor de prática em ensino da língua inglesa na UEG - Inhumas, Professor de literatura do Ensino Público, Professor de literatura do ensino público, professor OLY - oficina de línguas YAHWE e Professor do projeto ARTs Lit na USP

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Wellington Lima
03/10/2012 17:17

Com certeza esse aluno fez um comentário bem a "ALTURA" e foi MUITO coerente com o tema que o Sr° elaborou e apresentou para seus alunos. Gostei muita da parte em que você se incluiu como sendo, também, mais um aluno, mas deixo aqui mais um complemento sobre educar os filhos: " Educar não é cortar ou dar asas aos filhos, mas sim orientar o vôo."


Quando eu li a história de Dédalo pela primeira fiquei a me perguntar o por que ele não orientou e ficou lado a lado com seu filho.


Seu aluno esta de Parabéns!!!


Quando aparece um ótimo aluno em nossa turma e que faz perguntas de "prova" que nos deixa a pensar, ainda mais no seu caso que ficou até dias se perguntando a respeito daquele comentário feito por ele, não é porque somos bons professores, mas sim o aluno que se descobre e nós só devemos dar crédito e força para que ele tenha confiança em si próprio.

Anonimo
24/09/2008 20:37

Anonimo

Chpa que eh de uva
Heitor Sarara
08/09/2008 22:00

uhn

Nem li tudo mais parece legal
dede
23/04/2008 20:49

minotauro

quem era o minotauro respomde
paloma ferreira de almeida
09/10/2007 21:08

geografia

Adoro as aulas de geografia está é uma das desiplinas que eu mais gosto.È a disiplina que eu mais aprendo(acho que um dia serei uma astronalta).
Alex
10/04/2007 08:42

Oi!

bom... eae pessoal olha eu nunca fui aluno seu daniel mas gostei do comentario!!!! vc e bom nisso e vi que o seus alunos so são bons assim porque vc ensina mt bem eu kiria ser seu aluno vlws pessoal!!!(tenho 12 anos dia 22 faço 13)hehe
marianna de paula moraes
10/03/2007 22:09

isso ai!!!!!!!!!

Daniel eu te considero vc o melhor professor de ingles que tem aki na cidade de inhumas por isso vc esta de parabens.continue essa pessoa maravilhosa que vc e.
Icaro
24/12/2006 22:33

Icaro

Eu queria sabe quando foi que ele fugiu... E tambem qual a data de nascimento dele ?? Por Favor responde minha perunta [:D]
Junior César Ferreira de Castro
22/10/2006 17:06

Esse é incrível!

Ter o Daniel como professor foi um marco na minha vida educacional, pois através dele pude me espelhar e ser um educador que procura levar o aluno a re-pensar a sua vida na sociedade do qual está inserido, ou seja, perceber se somos um Ícaro ou um Dédalo. Parabéns professor, continue sendo esse profissional que acredita na mudança, assim como esse educando pode mostrar a você e a todos que leiam este artigo que somos possiveis de transformações, transformações estas para o melhor. Você é incrivel! Junior César
Eliana Flores
23/09/2006 09:23

Emoção a flor da pele

Que maravilha poder ler as experiencias maravilhosas de um professor que ainda acredita na educação pública e faz acontecer, seu texto me emocionou e me fez descobrir o como foi importante andar ao lado dos meus filhos, hj ja adultos e dos meus tantos alunos tanto da rede pública quanto da particular. Valeu mesmo, garoto! Um abração.
Neimar Carlos
07/08/2006 18:22

O que é liberdade?

O artigo do professor Daniel tras o enfoque da visão que vai além do mundo metafísico, que a razão maior de ser professor é sem duvida compartilhar a vida e sonhos dos alunos. Porém faço a resalva que somos pequenos no que se diz da dimensão do que experimentar a liberdade que é o significado do sol nesta alegoria clássica vem a trazer o adjunto do sol quando encontramops a liberdade ficamos com os olhos ofuscado por causa de tamanho brilho e muitas das vezes a liberdade não passa de uma prisão no sentido poético de Ovídio. Mas deixo claro também pela a estima ,consideração e muita adimiração pelo trabalho deste professor.
eunice
06/08/2006 19:43

saudades

Olá Daniel, tudo bem? Fico emocionada sempre que leio seus artigos e ao mesmo tempo orgulhosa de ter sido sua aluna. Você é sem dúvida um presente para todos que o conhece. Parabéns e seja muito feliz.
thiago
30/07/2006 03:18

isso ai!

por isso que eu t considero se nao o menhor vc ta entre os melhores professores de inhumas se nao do estado.
Karlla Lara
27/07/2006 02:05

Muitas saudades...

Eita !!! Quanta saudades de vc Daniel... Um ótimo professor sem dúvida... Como sempre com lindas palavras... Mta saudade das tuas aulas... Bjos =*************** TDB pra vc Dani ;-)
Hugo Seabra
26/07/2006 14:39

Marcante

De fato, Daniel, suas palavras enchem-me alma, como tantas vezes aprendi com você, meu amigo. Este texto ajuda-me a refletir sobre momentos que tenho vivido, e sobre como administrar a responsabilidade que tenho tido nestes últimos 6 meses. Creio que haveremos de ter a oportunidade de conversar sobre isso pessoalmente, e eu gostaria de compartilhar com você esta tão doce aventura que tenho vivido, mas meio desnorteado, através deste texto, posso finalmente tomar imporantes decisões. OBRIGADO, mais uma vez!!! Seu eterno amigo.