Publicado em 29/03/2006 08:37

Em Defesado Meia-Ponte

O nosso Rio Meia Ponte,É o que mata a nossa sede,Estão sendo proibidos,Pescar de tarrafa e rede,Mas quem não c

O nosso Rio Meia Ponte,

É o que mata a nossa sede,

Estão sendo proibido,

Pescar de tarrafa e rede,

Mas quem não cumprir com ordens,

Vai ficar de cara feia,

A pena que vai pegar,

São 3 anos de cadeia.

 

Rio que corre silencioso,

Murmurando a atenção,

Água que meu povo bebe,

Precisa mais proteção,

Até os peixes e os pássaros,

Já estão em extinção,

Proteger a natureza,

É a nossa obrigação.

 

Os nossos grandes empresários,

Já fizeram um orçamento,

Pra recuperar o rio,

Fiz um grande investimento,

Vai custar muito dinheiro

Parar o reflorestamento

Pensando bem no futuro

Tive um grande pensamento.

 

Quem mora as margens do rio,

E a toda população,

Todos nos somos fiscais,

Pra não ter mais poluição,

O nosso Rio Meia Ponte,

Que corre em várias cidades,

Recuperar este rio,

É o dever da sociedade.

 

Já vi muitos comentários,

E também muitos cartazes,

Vai ser o maior exemplo,

Pro Estado de Goiás,

O nosso Rio Meia Ponte, e a nossa esperança,

Olhando para meu povo

E o futuro das crianças.

 

Esta poesia foi premiada com o 2º lugar no Iº Fest-Rio de Goiás, retratando o Rio Meia Ponte em março do ano de 2006

José Mateus da Silva

José Mateus da Silva

Sr. José Mateus teve uma vida árdua dedicada aos trabalhos agrícolas, mesmo desde cedo tendo seus dons para a cultura bastante aguçados.
Defensor da natureza, escreve poesias e músicas que têm contato direto com a cultura da terra; artista da roça, que desenvolveu seus dotes em música e poesia. Já ganhou vários prêmios em eventos de cultura regional.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

fernanda martins gomes
29/10/2007 14:02

o rio meia ponte

o rio meia ponte é uma grande beleza desse nosso goias pois ele é que mata a nossa sede as pessoa que lá moram,nas beiras dos rios sabem a grande belesa que ela é. sem poluiçao sem sem desmatamento quem sabe nao so o rio meia ponte como todo o planete possa ter um ar bom é agradavel
MARCONDES SILVA MIRANDA
30/04/2006 13:34

A verdadeira alma de um poeta

Parabéns. Dr. José Mateus, se assim posso e devo a hora de lhe chamar. Vejo em seus versos uma verdadeira alma empregada na poesia. Sempre demonstrando o que nós esquecemos com a modernização de hoje. Continue assim meu amigo e companheiro que lhe desejo muitas glorias e que sempre possa nos presentear com essa rica cultura que não morreras nunca.
Helio Teodoro de Rezende
11/04/2006 13:33

Regionalismo Ecologico

Parabéns Sr. José Mateus, pelo forte apelo regionalista, diante de um tema ecológico, em defesa do nosso querido Meia-Ponte, continue publicando suas obras.
João Paulo Silveira
11/04/2006 15:20

Cultura popular

Temos, além de um texto ambientalista, uma amostra da cultura popular inhumense, desembaraçada de qualquer entrave que institucionaliza a arte.
Gleidson de Oliveira Moreira
04/04/2006 15:46

Meia-Ponte

A grandeza do mundo está incubado dentro da alma desse poeta. Ainda bem que o meia-ponte é ponte inteira quando pelo amor as coisas da netureza, a natureza do homem muda o rio de lugar, trás de lá pra cá o leito por onde percorre o que nos foge. A visão, os sentidos que Seu José tenta nos fazer sentir. Bão de mais seu Zé.