Publicado em 21/12/2010 08:43

Empreendedorismo

Empreendedorismo como cultura de desenvolvimento

A semana do empreendedorismo comemorado em novembro chama à sociedade para se organizar a favor deste modelo tão importante para o desenvolvimento das empresas, projetos sociais, famílias e comunidades em geral.

O cenário econômico no Brasil neste momento é super favorável para o estabelecimento de empreendedorismos empresariais e sociais. Crescimento do PIB; crescimento da renda e do consumo, especialmente nas classes C, D e E; Governo central e alguns estaduais disponibilizando subvenções e créditos facilitados para empreendedores.

É comum as pessoas terem uma idéia, por exemplo, de abrir um empreendimento e saírem por aí sem se preocupar com o planejamento das tarefas, sem a busca da informação, sem o devido estudo da viabilidade do negócio, sem saber se o empreendimento é escalável, se há diferencial competitivo, inovação, localização adequada, estratégia de marketing, tendência, volume, agregação de valor.

Talvez o empreendedor tenha disponível apenas o capital inicial, e em alguns casos, também o capital de giro, isso não é suficiente. Apenas assim o projeto tem grande chance de quebrar no primeiro ano. Para começar um negócio tem que ter conhecimento prévio, um plano, uma orientação profissional, saber com quem você pode contar e muitas outras variáveis de análise.

Existem dois tipos de empreendedores, aqueles que o são por necessidade ou oportunidade. Estudos revelam que quanto menor o PIB, maior o empreendedorismo por necessidade; quanto maior o PIB, maior o empreendedorismo por oportunidade. O Brasil se encontra nesta última condição.

O foco da cultura do empreendedorismo é na mudança de comportamento. A Organização das Nações Unidas (ONU) desenvolveu um programa de abordagem, comportamental do empreendedor, que hoje é realizado em 34 países. Este programa tem o objetivo de contribuir para que empresários e empreendedores alcancem melhores resultados nos negócios, aumentando a lucratividade, além de estimular e gerar novas oportunidades. Este programa vem gerando excelentes resultado.

Enfim, é preciso um plano de negócio para crescer e desenvolver o projeto empresarial ou social de maneira sustentável ao longo do tempo. Assim a sociedade em geral ganha, os bancos e investidores têm mais confiança em alavancar negócios novos, o risco do crédito e a inadimplência diminuírem as taxas e o prazo de retorno do investimento melhoram.

Welington Rodrigues

Fonte: Jornal O Goianão

Welington Rodrigues

Welington Rodrigues

Economia, pós-graduando MBA em Gestão de Negócios pelo IBMEC.
Diretor da Project Consultoria Especialziada, autor do livro "Por que Inhumas é assim?".

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Welington Rodrigues
15/06/2011 08:57

Retorno

É verdade Rogério, sendo assim, as oportunidades diminuem para quem quer produzir e gerar riqueza.
Obrigado por seu importante comentário!
ROGÉRIO
10/06/2011 18:22

CONSIDERAÇÕES

Caro Welington, pena que nos últimos meses o COPOM tenha aumentada assustadoramente os juros. Essa "bela epoca" pode estar sendo ameaçada com a volta dos juros altos e aumentos na carga tributária.
Welington Rodrigues
11/05/2011 08:59

Justificativa

Meu caro JOBA, agredeço a crítica, mas a falha é da estrutura do site. Este assunto, inclusive, já foi alvo de críticas anteriores por parte de outros leitores. O parâmetro do site é que obriga a disponibilização da informação. A equipe TUDOIN poderia corrigir este problema, por favor.
João Petrolina
15/02/2011 18:32

PERFIL

Caro Wellington,
Sempre leio seus enunciados e gosto muito da forma que você aborda os temas escolhidos. Mas, quero fazer uma crítica, sem mas de longas, com relação ao seu perfil: que seria o correto conforme abaixo:
WELINGTON SANTOS
wkwkwkwkwkwkwkwkwwk
- Economista
- Pós-graduando de MBA em Gestão de Negócios - IBMEC
- Diretor da empresa....................
- Autor do Livro .....................
OK?? vale lembrar que ao colocar economista, não precisa você mencionar "Ensino superior completo" e nem "Economia" porque aí está dando duplicidade, haja vista que o economista tem de ter superior completo. OK?????
Grande abraço.

João Petrolina