Publicado em 02/12/2006 10:01

Ensino Religioso

A imposição do ensino religioso nas universidades

A IMPOSIÇÃO DO ENSINO RELIGIOSO NAS UNIVERSIDADES

Bom seria se os órgãos governamentais e educacionais não consolidassem essa iniciativa antidemocrática e diabólica, ferindo os direitos de cada cidadão brasileiro e estrangeiro que vive nesse país.

Será que a iniciativa é parte do projeto "fome zero"? Se não conseguem matar a fome física dos brasileiros, vão empanturrá-los espiritualmente? Seria também criado o Ministério da Heresiologia, como órgão fiscalizador para assegurar que o ensino não se embebedasse em heresias, e que fosse pautado imaculadamente nos ensinamentos bíblicos? Talvez esteja na hora da população pintar a cara, não para arrancar gargalhada, mas para clamar em um só coro por um plebiscito.

Se por um lado a religião predominante louva o fato, por outro, outras denominações repudiam a afronta ao livre-arbítrio que é um direito prescrito por lei, tanto de Deus quanto dos homens. Supomos que estaremos à mercê de uma tirania religiosa, onde com certeza, nenhum mestre frisará os constantes escândalos de pedofilia comprovados nos bastidores da doutrina que querem empurrar-nos goela abaixo. Quem quiser que idolatre o papa, ou um cantor, ou um atleta, ou um pastor. Só não é concebível a idéia de que sejamos constrangidos por lei a nos ajoelhar aos pés de uma cruz a qual não optamos por carregar, comungar uma ideologia religiosa imposta por outrem.

A integridade política algemada pelo lasso, inventa moda para camuflar seus podres. Agora, com um manto sagrado tentam fazer milagre, encobrir os malefícios da corrupção.

Levanta-te e anda, oh brasileiro! A sua ignorância continua! Talvez assim consigam que esqueçamos tudo, mensalão, a máfia das ambulâncias e etc.

A atmosfera de temor e descontentamento ronda os estudantes e seus familiares. Seria um culto à algazarra psíquica, uma eclosão de ensinamentos aversos aos trazidos de berço, onde um possível choque deixaria graves seqüelas. E como conseqüência poderia haver uma evasão escolar, e quem ganharia seria o mundo do crime e das drogas. Incertos entre a lição de casa e a da escola... Provavelmente os que tivessem fome de peixe comessem os espinhos.

Essa afronta ao povo brasileiro, principalmente ao meio evangélico e a dezenas ou centenas de seitas religiosas existentes no país, cheira à ditadura crucificando a democracia. Democracia que, sobre os palanques de campanhas sempre fora pregada como prioritária e sagrada, e agora se depara com Judas... Contudo, podemos ter 666 motivos para empunhar a espada e recusar levar à boca moedas brancas como alimento espiritual.

Tomara os judeus que habitam essa nação verde-amarela, pávidos diante das circunstâncias, não se sintam à sombra do látego da suástica.

Ivan Zarur

Ivan Zarur

Inspirado pelas suas professoras, aventurou-se no mundo da Literatura aos sete anos de idade. Seus primeiros trabalhos publicados foram em forma de cordel: "O Velho Ricardino" e "Não conseguiu e para o Céu subiu". Com "Mundo e Mudanças" venceu o Festival dos Campeões de Itaberaí-Go.
Publicou vários trabalhos na revista Diadema Real, da Editora Cristã Evangélica do Brasil, entre eles, "Transformação", "Coisas da vida", "Mãe" e "Pastor Amado". Minha BIOGRAFIA completa, bem como outras de minhas obras estão disponíveis no meu site: www.zarur.no.comunidades.net

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Beatriz
17/12/2006 09:01

Ensino religioso

A bíblia tem resposta para tudo. É um livro, que não conta somente a parte boa, mas também as ruins do ser humano, então é verdadeira, senão omitiria o que aconteceu de podre, como a de Davi. Com certeza, as escolas deveriam estudá-la, independente de religião. É o melhor manual de caráter, paz, realizações... que já li. Se todas as receitas opostas à Bíblia fossem boas, o mundo deveria estar melhor, concordam? Porque tanta resistência?? Melhor nossos filhos estudarem a Bíblia, com chance de um caráter e comportamento próximo ao digno, do que usar droga, roubar, matar, estuprar, ou acontecer com ele todas essas atrocidades. A bíblia diz: Meu povo perece por falta de conhecimento. O mundo jas no maligno. Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. VRedonda, 17/12/2006.
JP
08/12/2006 12:32

ensino religioso

Entendo que as religiões devem ser estudadas nas escolas como manifestações culturais, diferentes em cada região e momento histórico. Disciplinas na área de humanas dão conta do recado. No mais, ensinar religião no sentido de ensinar uma fé deve ocorrer em casa ou na Igreja. De forma alguma a fé deve ser ensinada ou imposta na escola, ou seja, o ensino religioso deve abandonar as grades culiculares.
Wemerson Charlles Fraga
04/12/2006 22:11

Teologia

Bom, seria mais próprio, devido a nossa diversidade religiosa e até mesmo ao ambiente escolar ensinar teologia, abrangendo todas as religiões e sua histórias, para que, além de aprender a ser tolerável o estudante possa encontrar seu caminho.
lucas
04/12/2006 00:44

ao bom pastor

cara, o que voce sabe? alem do fruto de sua besta alienacao? sua religiao nao ensina respeito ao proximo? nao ensina compaixao?! fala serio neh! e ainda vem falar de saber, falso saber sim, eh o q vc guarda! falso! hipocrita e inculto. desculpe-me a agressividade, mas o sr. falar algo em tal tom sobre um tema que envoca respeito ao proximo e ainda falar em saber, pow, mil perdoes, mas desta forma suas ovelhas se tornarao negras, nobre pastor.
Bom Pastor
03/12/2006 20:50

Misericórdia!

Senhor, perdoa-lhes eles não sabem o que falam!
Davi Isaias
03/12/2006 09:25

ENSINO RELIGIOSO

O tema abordado é polêmico. Sou plenamente de acordo com o respeito ao direito de culto e religião, garantido pelo Constituição Federal. No entanto, o ensino religioso pode ferir esse direito, porque seguirá a orientação do professor. Caso seja ele evangélico, poderá desagradar aos alunos de orientação católica e vice-versa; se for espírita então, não contará com a tolerância dos alunos evangélicos. Concordo com você. O ensino religioso deveria ficar a carga da família e das próprias religiões. Ao Estado e todo cidadão cabe o respeito pela religião que cada um assumiu. Temos que nos orgulharmos de ser um País tolerante.