Publicado em 29/11/2006 00:10

Indícios

As janelas de seu quarto não mais ficavam abertas...

 As janelas de seu quarto não mais ficavam abertas, ele detestava o Sol, a Lua, o universo. Detestava tudo. Detestava inclusive a si mesmo, o que não era difícil. Em meio à loucura, livros, silêncio, um copo com água e um insuportável maço de cigarros, pensava nele, pensava muito, pensava mundo. Pensava que pensava e quanto mais pensava mais queria pensar e mais odiava tudo.

Pensava em Adão, em Platão e no amor. Aliás, detestava o amor. Amor... Essa palavra lhe corroia por dentro quando ouvida, ou melhor, lida. Fazia muito tempo que não ouvia. Detestava ouvir, falar, sentir, esse último mais que todos os outros. Sua professora ensinou-lhe que sentir é poder amar e odiar. Hipocrisia. Um dos motivos para odiar tanto o amor quanto o ódio. Sentimentos, vida, o que ele menos entendia. Mais lia e menos compreendia. Chorava, calava. Amor era sexo, libido, sexo, orgia, sexo, defloração, orgasmo, gozo. Amor era falsidade, traição, vingança, ansiedade, impiedade, ódio. Ódio. Era(m) a mesma palavra, cada uma em seu tempo verbal.

Viu-se vago. Viu o mundo vago. As palavras eram vagas, ortodoxas, loucas. Louco. A filosofia era vaga, ingênua, tenaz. Em Deus e papai Noel já não acreditava. Tornou-se sombrio, negro. Mais negro que sua pele. Escravo. Escravo da morte, que, acreditava ele, era sua dona. Tanto sua quanto fora de todos os autores que lera no empoeirado acervo em seu velho quarto no segundo andar de um beco escuro. Todos eles tolos. E mais tolo ainda eram seus pensamentos. Exaltavam a sádica vida que viveram, muitos deles, pouco. Que tolice. Ele não exaltava, não agradecia. Maldizia, amaldiçoava e maldizia novamente.

Não se deixava levar pela ilusão das palavras e nem ao menos pelos sentimentos, que eram sim, os males do homem. Também não acreditava em felicidade, julgava-a uma ânsia eterna e inalcançável.

Foi vivendo e lendo sempre as mesmas palavras, vazias, apenas em novas capas e percebeu que não encontraria a resposta para suas perguntas, e se encontrasse não se contentaria. Não encontraria resposta para nada. Tudo era ignorância. Os conceitos eram tênues e a vida, finalmente, não se resumia em coisa alguma.

Sua mente ficou cansada disso. Ficou cansada da busca entre frêmitos e soluços em noites sem dias, sem verbetes, sem soluções, equacionadas em gritos sufocados na mais profunda morada de sua alma. O tempo passava-se e o tempo parava-se, parando-o e passando-o dias e mais anos e ventos ignorantes de eras. Passou tudo, seu calendário com a foto de Madona, os caras-pintadas, passaram seu tempo e seu mundo. Passaram-se suas primaveras, impercebíveis, que foram trocadas por outonos de invernos sem verões.

Suas festas, cavalgadas, assombros e contidas alegrias repentinas, proporcionadas pelas estórias nos livretos, não mais saciavam. Não mais lia. Conformava-se e relutava cada vez menos, menos sabia. Suas lembranças e noções se apagavam como se escritas na areia. Isso lhe aliviava, pois apesar de insalubre, arracava-lhe as dúvidas e o tempo das costas já pesadas de dias e enigmas.

Parado, estático, faminto e sujo. Muito sujo... Desistia.

 Seu corpo velho e seco - sabia ele, não duraria muito tempo. Não mais falava. Esse era o preço das fumaças entretidas de tantos tempos. Mas a fala, sabemos, era algo que não lhe fazia falta. Seus olhos velhos e chorosos não podiam mais deslumbrar a beleza das cores.

 - Morte... Morte... - Balbuciava em meio a lágrimas de dores sem cura. Queria ouvir... Compreendeu...

 -... ... ... ! ! ? ... !... ? ?... . ? .

Era sua dona lhe chamando, era a hora de seguir seu destino, afinal não mais lhe pertencia a vida, ela nunca lhe pertenceu.

 

*Texto premiado com Medalha de Prata no II Concurso Gente Miúda de Conto - Medalha Monteiro Lobato, promovido pela Academia PanAmerciana de Letras e Artes (APALA), no IV Concurso Nacional de Literatura de Caçu-GO e selecionado para a antologia de ambos.

Emerson Fraga

Emerson Fraga

Estudante do 3º ano do ensino médio do Colégio OLY.
Colunista e colaborador do Jornal Mercadão, da seção de cultura do site TUDOIN e do site litetrário Garganta da Serpente. Soma 26 prêmios artísticos, científicos e literários. 1º e 2º Lugar no III Concurso Nacional de Conto de Cordeiro (RJ)/Troféu Lygia Fagundes Telles. "Medalha de Ouro" pelo 1º Lugar Juvenil no III Concurso de Poesias "Letras do Divino", em Itanhaém-SP. "Medalha de Prata" pelo II Concurso Gente Miúda de Conto - Medalha Monteiro Lobato, promovido pela Academia PanAmericana de Letras e Artes. 1º Lugar Juvenil do VI Concurso Kelps de Poesia Falada (2007). Selecionado para antologia do IV Concurso Nacional de Literatura de Caçu nas categorias conto e poesia. Campeão da XXXI SACEM em conto, crônica e fábula. Premiado no Concurso Literário Internacional - Prêmio Cidade de Conselheiro Lafaeite (MG) na categoria crônica. Vencedor do concurso de texto e imagem ambiental "Minha Cidade é Meu Planeta", promovido pela Revista Época e British Council. Vencedor nacional de texto na 4ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente. Delegado brasileiro no Fórum Internacional Estudantil 2007, em Londres.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Olíria Maria Gomes
28/02/2007 10:19

DESCULPAS

Quero estar pedindo desculpas pelos erros de digitação. devido à presa, ñ os verifiquei antes de postar a mensagem. A pressa é inimiga da perfeição acabei me enrolando mais com a nova postagem. Ñ se escreve abreviaturas do nome da escola com letras minúscula( Est.). Onde se escreve alcanse, é alcance; term, é ter; suceso e´sucesso. Ainda bem que temos a oportunidade de nos corrigir aqui ñ é mesmo?
Olíria Maria Gomes
28/02/2007 10:09

PARABÉNS!

Olá Wemerson! Sou professora dinamizadora no Col. est. Otaviano de Moraes, em Paraúna-Go. Como já escreve tão bem? Vejo que é um aluno esforçado e que também está em uma escola com suporte ao seu alcanse. Parabéns, primeiro a você o grande merecedor, à sua escola e cidade por term alguém que destaca tudo isso. Vá em frente e suceso em sua jornada.
francinelly f. fraga
18/12/2006 23:09

!!!!!

Muito legal.!!!!!
Maria
07/12/2006 14:34

Otimo...

oi gstei muito do seu texto parabens pela sua criatividade espero mas textos!!!
Camila Silveira Dias
03/12/2006 19:40

indicios

Parabéns pelo texto Wemrsson, gostei muito e acho que te conheço de algum lugar, vc lembra de mim? Continue escrevendo poraki, bjos
israel costa fontana
01/12/2006 16:41

legal

gostei do seu texto!!!! muito legal. espero o próximo
Davi Isaias
01/12/2006 16:17

INDICIOS

Parabéns Wemerson, pela estréia e pelo texto. Você faz literatura e bem. Grande sucesso. Grande abraço.
Cláudia Alves Ribeiro
30/11/2006 17:30

Parabéns!

Seu texto ficou muito legal! Parabéns!
cleijane ribeiro da fanseca
29/11/2006 17:52

parabens

Estou feliz por voce fazer parte de uma equepe de colunistas que representa a nossa cidade so tenho a desejar muita sorte pra voce e que voce agare esta oportunidade como se fosse a unica, nao que voce deva estacionar e ficar so nisso . Parabens e muito sucesso beijos de sua titia que te admira muito.
Renan Alves Melo
29/11/2006 11:29

...

Entao serei o primeiro comentario desse jovem escritor!!!!!!!!Náo sabe o quanto estava ansioso por sua estreia aqui. Antes de mais nada, parabéns pelo belo texto cuja a simplicidade consegue alcancar a mais profunda consciencia humana. Continue oferecedo a essa cidade o que ela merece de melhor. Ah, seja bem vindo também a esse covil de críticas descabíveis. Rssssssssssss. Desejo muito, muito sucesso na vida e que náo se esqueca dos amigos, viu. Te admiro para caramba, e vc sabe disso. Já estou ansioso pelo próximo texto. Bacos e abracos.