Publicado em 25/12/2006 21:56

IX

Para quem também odeia o parnasianismo...

risca o anarquista
que arrisca anarquia
(berra o bilac
do lado de lá)

e anti
pardal
siano respondo
o que respondeu o poema de cá

gritam versivos reversos silêncios
gritam as horas precisas do medo
grito violeta o roto desgraçado
que o rosto literato se vê obrigado
grito o aflito tinteiro caneta

(primeiro porque
caneta não fala
caneta desenha mil traças e taças
caneta é o dilema
banhado de vinho
de baco
de tinta
de tinta de tinto
caneta é a ninfeta
lascívia da vida
sugando o gozo
das rimas feridas
no torso de zeus
das vindas e idas
caneta é o ser
que o ser existiu)

a tinta da vida de gasta se arrasta
e parte partida das almas cretinas
credito e acredito na tal poesia
grito por que o gritar me é dito
é tido, é mito, é tido, imito
é filho que olavo, o escravo, abandona

mas morra a estrofe na masmorra perfeita
que liberta a festa das pernas douradas
(soneteia bilac
do lavo de lá)

anarquias entranhas
estranhas e belas
sufocam sentidos não tidos por ela
acolho o enxada lavrada dos dias
a esse temor simetria falida

cravo na terra sem terra do mar o poema que alcança a serra sincera
do meu sentimento
ao ar
e afogando olavos
insanos atrasos
no véu do esquecer
é meu divertir
nirvana
meu (r)ir

Renan Alves Melo

Renan Alves Melo

Aluno do Curso Superior de Publicidade e Propaganda da Universidade Católica de Goiás.
Vencedor de 37 prêmios literários e artísticos na SACEM; Primeiro colocado no prêmio Kelps de poesia falada do ano de 2005; Finalista prêmio SESC de literatura 2006; Primeiro colocado no concurso asas da literatura GREMI; Terceiro colocado no Prêmio Sesi Arte e Criatividade; Segundo Colocado no Prêmio Nacional FAP/FADAP de poesia. Possui um total de 62 prêmios (entre literários e artísticos). Brevemente seu primeiro livro de poesia "Noctâmbulos" será lançado, já que o mesmo foi aprovado pela Lei Goyazes 2007.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

aline siqueira
03/01/2007 17:23

a verocidade da poesia

gosto muito do seu estilo poético q mostra a verdade de cada texto e quando critica usa os argumentos adequados!!!! continue escrevendo e ganhando vários prêmios para q todos te reconheram como o grande escritor q és!!!!!felicidades e sucesso em 2007 q vc concretize todos os teus sonhos!
Charles
01/01/2007 21:38

Morto alegre

Assim como um voraz devasso beija e suga o seio murcho que lhe oferta uma vadia, furta ao acaso uma carícia esguia para espremê-la qual laranja que se enruga. Fervilhão qual um milhão de helmintos em crânios de um povo demônio. Respirais aos pulmões da morte o rio invisível, com lamentos indistintos o veneno, a paixão, o estupro, a punhalada. Não bordaram ainda com desenhos finos a trama vã de vossos míseros destinos? É essa a alma arriscada por quase nada. Em meio as hienas, às serpentes, aos chacais, aos símios os monstros ululantes e às viscosas idéias que as criam no lodoçal de vossos vícios imortais. Um ha mais feio, mais iníquo, mais imundo! Sem grandes gestos ou sequer lançar um grito, da terra que vos devora pelo umbigo, por prazer? Faria um só detrito, um bocejo imenso os engoliria o mundo; É o Tédio! O olhar esquivo à mínima emoção, com patíbulos sonha conheceres os monstros que existem fora, leitores igual a seu irmão.
tulio victor
31/12/2006 15:25

...,,,...

Quanta ingenuidade mesmo... tamanha!!! Onde já se viu criticar Olavo Bilac, mestre dos Parnasianos, quem tanto os Modernistas detonaram em apenas uma Semana!!! A poesia é para ser contemplada e se esvai no tempo. Em cada momento sua temática. Foram as rimas perfeitas e os decassílabos metricamente perfeitos... foram os poemas piadas de 22, e mesmo a sua consolidação em 30 e pós período. Vê-se tamanha incredibilidade ao insultar a poética olaviana... vê-se também imensa desaculturação ao criticar o trabalho ávido dos modernistas.... Pois que critique os Parnasianos... pois que critiquem os Modernistas... pois que critiquem todos os poetas... principalmente os que estão nascendo. Se não houvesse tanto barulho... que seria do Modernismo??? Tantos tomates.. tantas críticas..... E então... termino: o que seria de Manuel Bandeira com seu sapo-boi coaxando com os demais sapos parnasianos?! Continue escrevendo, Renan...
Edgar alan poe
28/12/2006 19:36

Tenha santa paciência

vejo o quanto é ridiculo este besta metido a poeta criticar Bilac. Meu idiota Renam você pelo menos sabe o que é a teoria política do anarquismo? Você ao menos algum dia já ouviu falar de Bakunin, você no mínimo deve ter tido aula com uns provincianos beija mão que se intitulam acadêmicos, você para ser mais altêntico falta muito odio ainda no seu coração, aposto que você ama descansar na sombra do jatobá e ter pensamentos insanos na barbie do cerrado. Tenha santa paciência.
Quemistry Ninja
27/12/2006 21:19

E como se não bastasse

Mais uma vez o jovem Renan nos brinda com sua ingenuidade literária. Como pode um quase analfabeto criticar um dos maiores poetas brasileiros? Coloque-se em seu lugar, a ALCAI por exemplo...
Wemerson Charlles da Fonseca Fraga
26/12/2006 18:03

...

Renan é sempre um autor que tem grandeza suficiente para escrever belos textos, mas também para criticar outros escritores. Gostei muito e também acho que a poesia deve ser livre. Feliz Ano novo modernista!