Publicado em 10/05/2006 14:31

Murmuro das Águas

Poesia exposta no Iº Fest Rio/GO conseguindo 3º lugar retratando o Rio Meia Ponte, em Março de 2006.

Eu fui contemplar as águas
Quando estava meditando
Olhando tanta beleza
Senti algo mim tocando
Então fui buscar a Deus
Vendo as águas murmurando
Seu moço naquela hora
Ouvi as águas falando

 

As águas descem em murmuro
Seu moço preste atenção
Eu sou a água abençoada
Que serve toda nação
Só eu que criei os peixes
Pra sua alimentação
Dou água e dou areja
Pra fazer prédio e mansão

 

Veja o murmuro das águas
Descendo pras corredeiras
Eu sou água Divina
Que sirvo a cidade inteira
Vou até a sua casa
Corro nas suas torneiras
E para matar sua sede
Vou pra sua geladeira

 

Vejo o Clamor das águas
Para nos chamar atenção
Só eu que lida o verde
Só eu quem germina os grãos
Seu moço planta uma árvore
Sobre as minhas erosões
Porque só faço o bem
E alguém me faz agressão

 

Veja a importância das águas
O que água disse pra gente
A onde vocês estão
Eu também estou presente
Mais pra eu ter água saudável
Depende de tanta gente
Seu moço cuida de mim
Preservem minhas nascentes.

 


Esta poesia foi exposta no Iº Fest Rio/GO e conseguiu o 3º lugar retratando o Rio Meia Ponte, em Março de 2006.

José Mateus da Silva

José Mateus da Silva

Sr. José Mateus teve uma vida árdua dedicada aos trabalhos agrícolas, mesmo desde cedo tendo seus dons para a cultura bastante aguçados.
Defensor da natureza, escreve poesias e músicas que têm contato direto com a cultura da terra; artista da roça, que desenvolveu seus dotes em música e poesia. Já ganhou vários prêmios em eventos de cultura regional.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Bruno Cardoso Rzende
25/07/2007 23:47

PERFEITO!

Concordo plenamente com a Cristina Félix. É isso aí seu Mateus continui escrevendo seu poemas pois eles ainda nos trazem uma esperança, ajuda a concientizar as pessoas, fazendoas preservar cada vez mais a natureza.
Cristina Félix
27/12/2006 09:56

Fantástico

A Poesia é algo que vem do fundo da alma. Não precisa de escolaridade, precisa sim de DOM e este é gratuiro. É lindo ver como a poesia liberta a alma e alegra muitas outras. Parabéns seu Mateus... Continue sua poética neste mundo de tanta desilusão, pois a poesia conforta nossa alma, ora nos redime e ora nos exalta... Vc é demais... Cristina Félix-Altamira-Pá.
debora
18/09/2006 09:26

nota 1000

Nota mil, essa e a nota que vc merece, pela sua criatividade,simplicidade,e por ser essa pessoa maravilhasa,cativante que atraves de suas poesias deixa nos familiares e amigos orgulhosos.Parabens tio por resgatar essa cultura ,com temas tao rico.Sua sobrinha debora!
Cristiano Alvarenga
17/09/2006 13:21

adorei esse texto!!!!

Nossa!!!!!!! Esse texto ficou maavilhoso!!!!!! Eu adorei. Parabéns para o autor
Luciano Silva Roriz
17/06/2006 16:51

Válida Contribuição

É válida a contribuição deste escritor que com simplicidade e sabedoria dispõe de seu taleto para tratar na vertente literária da Poesia os temas ecológicos sem perder o lirismo pela terra, enquanto homem sertanejo, mas aguçado pelo teor crítico se suas mensagens. Parabéns pelo grande esforço do resgate de tantos valores contidos nos teus versos que tocam a família, as drogas, o amor pela terra, e a conscientização social do educação ecológica, tal qual bem o fez o poeta Parcival em seus ecos do Rio Meia Ponte. Prof. Luciano Silva Roriz
João Paulo Silveira
25/05/2006 18:24

um bom exemplo

o autor, que desconheço, expressa a meu simples ver a doce iniciativa do escrever. Vivemos em uma cultura que não valoriza a leitura nem a escrita, ambos são gestos inuteis e sem retorno. No entanto, o sr Silva parece entender de forma diferente, ele expõe suas experiências em versos. Ora, para que pensam que servem as letras senão para expressar os estados da alma, como fez este senhor? Escrever é o mais importante exercício na confecção de sentido, as grandes cosmologias foram textualizadas e evidenciam o estado de espírito de um tempo: Alcorão, Sutra do Lotus, Tanak, Bíblia, Zen-Avesta, entre outros.....A única coisa diga de valor é o interesse pela leitura e o desejo de expressar experiências, o que quando feito sob postura qualitativa engrandesse o homem. Ótimo exemplo o do sr. Silva, parabéns!