Publicado em 30/03/2006 15:42

Teatralizando em Inhumas

Sei que viver da arte é quase uma utopia por aqui,embora pareça loucura, somos ...

Dia 14 de março último foi minha formatura em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Goiás.Finalmente depois de quatro longos anos de sacrifícios variados consegui chegar ao final deste curso.Não foi fácil.Enfrentei dificuldades enormes: horários de aulas que se estendiam da tarde à noite, um vai-e-vem pelos Araguarinas da vida e ainda ter que lecionar nos últimos horários do Colégio Estadual Manoel Vilaverde foram alguns dos percalços que tive que vencer.Mas acreditem: nada me abateu!


 Sei que viver da arte é quase uma utopia por aqui.Mas que embora pareça loucura, somos apaixonados pelo que fazemos.A produção teatral em Goiás ainda está sendo impulsionada.Embora tenhamos grupos reconhecidos com bons trabalhos como o Guará da Universidade Católica, o QMário que nasceu no CEFET, o Nu Escuro e o Zabrinskie faltam mais investimentos nesta área.


 É claro que a classe louva o Festival Nacional de Teatro de Porangatu (TENPO), bem como outras iniciativas daAgência Goiana de Cultura (AGEPEL), e a fundação pelo Professor Hugo Zorzetti do Curso de Artes Cênicas da UFG (representando um avanço nesta área).Sem falar nos Festivais da FETEG (Federação Goiana de Teatro): cenas curtas, monólogos, comunitário, estudantil e poesia encenada.Participei de vários deles, atuando e assistindo e pude perceber o esforço de cada um para sua realização.Porém, sempre se pode fazer mais.


 A CIA Marula de Teatro da qual faço parte tem sua sede no Jardim Novo Mundo em Goiânia.Somos um grupo com diversas premiações em Festivais que sobrevive de suas apresentações. Temos que pagar iluminadores, cenógrafos e figurinistas.Nada acaba restando para o grupo.Fazemos teatro porque amamos a arte de representar.Quantas vezes fui ensaiar em pleno domingo tomando ônibus variados e pagando do próprio bolso.Às vezes dormia em Goiânia e já ia direto para a Universidade.Mas tudo vale a pena.


 Quando estava ali, colando grau, me veio à mente quando comecei a fazer teatro em Inhumas.Inicialmente no Colégio Rui Barbosa, depois nas diversas animações de festas de aniversário com fantoches e palhaços das quais revertíamos em doações ao Sopão (Um grupo que até hoje auxilia as crianças da Vila Mutirão), ou as apresentações em lançamentos de livros de Helena Sebba e Umbelina Frota.Depois veio a Comunidade CICA da qual fiz parte por mais de dez anos.Relembrei o Fábio Pascoal (que hoje está em um Seminário), a Valéria da FAMI e a Joelma Pina.Quantas encenações na Matriz de Santana.Foi o começo de uma bonita história.Tudo isto passou pela minha mente naqueles instantes.


 Nossa turma de Bacharelado e Licenciatura já estava bastante emocionada naquela formatura.Víamos de uma encenação muito marcante que nos consumiu durante todo o ano de 2005: Bodas de Sangue de Garcia Lorca.Durante todo esse ano dedicamos muito aquela peça.O texto, rico em imagens fortes, nos contagiou.A encenação, então, foi maravilhosa.Saímos marcados dela. A atriz que fazia um dos papéis principais foi brilhante em sua cena final.O texto de Lorca em sua interpretação ganhou uma força descomunal.E assim foi.Uma semana depois perdíamos, infelizmente, esta amiga de forma trágica.Nos víamos ali, em seu enterro, chorando e lamentando a grade estrela que partia.No ano anterior já havíamos perdido um outro colega também de forma marcante.Isto tudo nos emocionou no  final desta etapa na Universidadade:vitórias, perdas e uma vontade louca de fazer teatro ainda mais.


 Depois de quatro anos entrando em contato com ótimos profissionais como o próprio Hugo Zorzetti, Mauri de Castro (que já trabalhou com Chico Anísio),Carmelinda Guimarães  e fazer oficinas com Fernanda Montenegro, Caio Blat dentre outros maravilhosos atores e diretores posso confessar que todo o sacrifício valeu a pena.


 Assim conheci os percalços e alegrias desta profissão quase tão antiga quanto a humanidade.E sei que podemos fazer muito em Inhumas.Um exemplo foi minha monografia de final de curso na qual abordei a obra de um grande escritor: Miguel Jorge ( que passou sua infância aqui) e na qual analiso sua produção: A Dramaturgia de Miguel Jorge no contexto do GEN (Grupo de Escritores Novos).Tive o privilégio de tê-lo na minha banca de defesa.Escolhi Miguel Jorge por amor a Inhumas.Mas isto é assunto para outro momento.Agora tenho que pensar em alguns textos teatrais que me pediram, nas oficinas e encenações que estamos idealizando por aqui.O trabalho não pára.Que bom! Inhumas merece ver mais teatro.Eu, Rafael, Wilker e Wanderson estamos tentando fazer nossa parte.Já é um começo!

José Carlos

José Carlos

Formado pela Universidade Católica de Goiás no curso de História, Graduado em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Goiás. Especialização em Educação Ambiental pela UCG.
Professor na rede estadual de ensino, integrante do grupo Marula de Teatro e membro do conselho municipal de cultura

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Gloria
19/06/2014 08:35

Happy Birthday Katie

Happy Birthday Katie!!! Hope you are having a very spceial day dear.Your just beautiful dear.Welcome aboard Mark, I know we will be keeping you busy !!!!! For we love our Sugar!!!
Rafael Martins
30/06/2007 11:42

A missão

Grande é a obra e poucos são os operários. Temos muito o que fazer, juntos somos melhores. Abraço. Rafaelit show
Weller Marcos
21/03/2007 18:16

informe

José Carlos parabéns pela sua luta, você é um privilegiado em ter chegado onde muitos ainda não ousaram caminhar dando o primeiro passo. A Arte merece toda nossa dedicação e respeito. É através da arte que nos intentificamos como povo e nação. Estamos procurando um contato com Hugo Zorzetti e Eduardo Jordão ai de Goiàs você pode nos ajudar ? Caso consiga mande pelo email do nosso movimento: aarteandaporai@bol.com.br Agradeceremos a gentileza - Movimento de Revolução Cultural A Arte Anda Por Ai- No Caminhar dos Pés Descalços Cuiabá - MT
Idelma Bandeira
06/06/2006 15:02

Parabéns

José Carlos, vc é muito especial. É inteligente, íntegro, amigo e verdadeiro. Ficaria por várias horas enumerando qualidades para vc e não consegueria esgotar tudo q pode ser lhe atribuido. Parabéns, Parabéns!!!!!!!! Vc merece tudo isso!!!!!!!! pelo seu esforço e pela pessoa q és. Compartilhar de sua amizade não é apenas maravilhoso, mas tbém um aprendizado. Sempre roguei a Deus por vc, e continuarei rogando para q sua estrela continue brilhando e contagiando a muitos senão a todos. vc é uma estrela q brilha no céu de Inhumas e q com certeza vai contagiar a muitos. Bjos!!!!!!!! Saudades!!!!!!! Idelma.
Márcia Arantes
27/05/2006 22:52

Você é show....

José Carlos ,você sabe da amizade que nos une ,o quanto contribuiu para que a Escola Castro Alves conquistace seu espaço.Você nasceu para brilhar ,AMO SER SUA AMIGA.
Renan Alves Melo
15/05/2006 10:53

OLA...

Quanto tempo José Carlos! Gostei muito de seu artigo jornalistico, como se fosse uma tarefa difícil. Tudo o que você faz transborda sentimentos tão rompedores de barreiras quanto as mais sensíveis obras literárias. Tenho muito orgulho por ter sido o seu aluno. Orgulho esse que você pôde perceber naquela carta sobre o professor exemplar. Seus instantes são tão cênicos quanto a peças que você mesmo executa, e com requintes de perfeição. E é por isso e uma série de outros motivos que aqui sempre vai existir um amigo. Conte comigo. Um abraço... Renan
wilker postigo
28/04/2006 19:57

Parabéns meu amigo

olha meu amigo sabemos como é duro nosso caminho mas a arte é nossa missão e é com muita alegria que fazemos nosso trabalho.Parabéns por tudo q já fez pelo teatro em Inhumas ,sou testemunha do seu esforço.Estaremos juntos em muito mais batalhas ,pelo teatro e por Inhumas.
Wanderson Postigo
04/04/2006 17:19

Um ator vencedor

Conhecendo algumas as dificuldades que um ator passa,e no qual passamos algumas destas juntos, não há nenhuma definição que posso dar a ti meu grande amigo, se não vencedor. Que a arte nos aponte uma resposta, mesmo que ela nao saiba e que nimguem a tente complicar, pois é preciso simplicidade para faze-la florecer . Parabéns são cumprimentos da Cia Marula!!!
Gleidson de Oliveira Moreira
03/04/2006 10:08

Luta

Existem três momentos na história do teatro inhumense. Aquele dos anos 30, chamado UTI (União Teatral Inhumense) os dos anos 60, período em se destacaram Sonia Seabra, Manoel Basílio e o de característica profissional dos anos 90. Este último é um divisor de águas porque profissionalizou e disciplinou as artes cênicas. Reverencio seu precusor na persona de José Carlos e Cia. Parabéns!