Publicado em 07/04/2006 07:14

Vai contratar?

Contratar muitas vezes não é como abrir a caixa de pandora. Acompanhe algumas dicas de como escolher um candid

 Outro dia estive em uma loja para comprar uma pequena estante. Ao entrar no estabelecimento percebi que enquanto alguns vendedores atendiam, outros estavam ao fundo dispersos. Fiquei por ali alguns segundos esperando, até que me dirigi a um deles. Era uma moça de boa aparência, mas parecia insatisfeita, parecia que alguma coisa não a agradava. Mal olhou para mim, respondia aos meus questionamentos resmungando. Fiquei impressionado, pois há 12 anos ouço falar em palestras, seminários, vídeos, revistas, que o atendimento é fundamental para a imagem de uma empresa ou qualquer outro tipo de organização, e mesmo assim não é raro me deparar com este tipo de situação. Má vontade, preguiça, falta de entusiasmo, estes são apenas sintomas que de aquele profissional pode estar no lugar errado. A empresa é movida por pessoas, gerida por pessoas, e pessoas erradas ocupando cargos errados, podem ser uma bomba para sua empresa; em fim possivelmente você contratou a pessoa errada pra ocupar o cargo errado.

As dicas que menciono abaixo são importantes ferramentas para lhe ajudar a escolher o candidato certo, para o cargo que tem disponível, mas é importante que você comece a refletir também sobre aqueles colaboradores que já atuam em sua empresa. Será que se você der uma mexidinha no time ele poderá marcas alguns gols a mais na concorrência? Pense nisto.

1 - Definir o perfil da vaga: Quais as características que o candidato deve possuir para ocupar o cargo? Para que você levante estas características às competências técnicas do cargo devem ser bem definidas, como por exemplo, o grau de escolaridade e a experiência necessária. Relacione as atividades ou tarefas a serem desempenhadas pelo novo profissional e concilie com competências emocionais, ou seja, vendedores devem ser espontâneos e articulados para interagir com os clientes.

2 - Informe-se sobre a vida pessoa do candidato: é importante que você obtenha algumas informações pessoais do candidato. Nada de invadir a privacidade do mesmo, mas importante conhecer algumas particularidades do profissional, pois ele poderá fazer parte do quadro de colaboradores de sua empresa. Todo profissional deve possuir comportamento ético. Não adianta possuir um ótimo currículo e ser uma pessoa agressiva. Pergunte sobre sua vida em familiar, lazer e convívio social de uma forma geral, é importante que conhecer alguns hábitos do candidato para poder avaliá-lo.

3 - Prepare a pauta da entrevista: Prepare uma lista de perguntas, para que você siga um roteiro e mantenha o controle quanto a direcionamento da entrevista e o tempo. Seja cortez  e mantenha um clima descontraído para deixar o candidato mais à-vontade. Deixe claras as informações sobre a vaga e possibilite que o mesmo faça questionamentos também, assim ambos descobriram se as expectativas possuem afinidades.

4 - Peça referências: Essa é uma prática antiga, mas ainda funciona muito bem. Ela permite que você conheça aspectos sobre o candidato que normalmente não aparecem durante a entrevista. O antigo emprego é uma fonte muito boa para obter informações sobre a conduta do profissional, suas competências e falhas.  Evite contratar parente, além de criar um falso clima de que o mesmo deve ser tratado diferente, pode gerar um constrangimento muito grande caso seja necessário demiti-lo.

5 - Faça uma experiência: Antes de assinar carteira e se responsabilizar por todos os encargos trabalhistas, faça uma experiência com o candidato. Essa experiência pode se estender até 3 meses tempo suficiente para que você observe o comportamento no que diz a respeito ao trato com as pessoas, encarar situações adversas e encontrar soluções para problemas.

Essas orientações são voltadas para pequenas empresas, devido à importância do assunto e principalmente por que elas em sua grande maioria não têm como contratar empresas que selecionem e recrutem pessoas. Espero que tenha gostado das dicas e até mais.


Fonte: Revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios - Edição n. 203 Dezembro 2005.

Sérgio Augusto

Sérgio Augusto

Administraçao de Empresas - Faculdade Anhanguera;Pos graduação em Administração em Recursos Humanos - Faculdade Cambury.
Consultoria, palestras e treinamentos em administração de empresas e administração em recursos humanos. Analista Empresarial do Sebrae em Goiás.Professor da matéria Teorias Administrativas - Universidade Estadual de Goiás.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Wirginia
25/04/2006 13:46

Bom atendimento é essencial!

Casos como este não são particularidades somente da cidade de Inhumas, inúmeras foram as vezes que tive um mal atendimento em variados tipos de estabelecimentos, isto tanto em Goiânia quanto em outras cidades do interior do Estado, e até mesmo em outras regiões do país. Penso que tudo isso é gerado devido ao desconhecimento do mercado pelos empresários. O cliente e/ou consumidor deve ser atraído de todas as formas, e para que este se sinta atraido por tal estabelecimento ou produto que estas oferecem, as empresas devem atender os clientes de forma que este se sinta respeitado e acima tudo satisfeito com o atendimento que lhe foi oferecido. As medidas citadas acima são essenciais para o bom funcionamento da empresa e do serviço a ser prestado por esta, a concorrência é grande e a melhor forma de vencê-la é conquistar a clientela e principalmente mantê-la.
Clenilda de Sá
11/04/2006 20:41

O mal se corta pela raiz

Sérgio, sorte sua em ter sido mal atendido apenas uma vez e tão somente em uma única loja; o que tenho a dizer é que a loja pra ter um bom atendimento aqui em INHUMAS ainda está pra surgir. Sou uma consumidora assidua do comércio de Inhumas e confesso que nunca tive um bom atendimento. Os atendentes são péssimos, mal humorados, se vc demorar muito na loja vc é contagiado pela preguiça, já cheguei a pensar que seria preciso eu pagar pra ser atendida; quando lhe atendem faz com pouca vontade. O espaço aqui talvez não será suficiente pra relatar todos os fatos acontecidos. Mas, permita me discordar um pouco da sua apinião de que a melhora pode ser obtida no cuidado e seletividade ao contratar. Acredito eu que quem precisa de uma boa reciclagem e cursos são os proprietários de estabelecimentos comercias, que mantém ainda uma idéia arcaica, atrasada, e não conscientizou ainda do valor e importância do consumidor; ou seja, ainda não conscientizaram que eles (comerciantes) é que precisam do consumidor. Se nem o patrão ou empregador tem interesse, consideração, respeito e não dá o merecido valor ao consumidor , não é o funcionário que vai dar .Seu artigo é uma realidade que muitos na comunidade inhumense vive. Que este artigo seja um marco inicial para que todos que passaram por situações identicas ou similar dê sua opinião.
Cynthia Martins
07/04/2006 11:43

Prezado Sérgio,

Concordo totalmente com o seu artigo. Já vi isso, não foi só uma vez não. Em vários estabelecimentos de Inhumas, nos deparamos com situações assim o tempo todo. A pessoa nunca trabalhou na vida, nunca fez nenhum curso na área e já vai se achando um vendedor. O SEBRAE tem ótimos cursos do ramo. Aconselho a quem pretender se candidatar a uma vaga de vendedor, procurar antes um bom curso de vendas. Só vai estar ganhando ao atender bem o cliente...