Publicado em 24/12/2006 22:07

Verdes Cinzas

Cinzas amarelo-esverdeadas...

Aquela acre sensação, embora lentamente, corrompia-o. Instantes intercalados forçavam sorrir e sorvia-se cada vez mais na figurada paradoxal, mas concreta situação. Era constante. Não tinha saídas. A sensação impercebível e intensa causava arrepios tensos, erupções. Contorcia-se assustadoramente. Engasgava-se. Engasgavam. Seu corpo sussurrava gritos. Esvaídos em dois tempos. Desistidos.

Sumia-se o ar. Os instantes de agonia se acumulavam à eternidade breve daquele momento. O sumário acenar de luz oscilante, mostrada em seus cento e oitenta e cinco mil e trinta e oito dias de insônias, fomes e mortes presenciadas a cada momento, hauria-se. Já acolhera tantas pessoas quais se anteciparam ou retardaram esse destino... Agora era ele. Somente. Detritos de encanto. Os pagamentos pelo bem que tanto fazia, eram agora recebidos. Tantos. Pagava-se de dor.

Suspirou. Vermelhos e gotas escorriam pela noite fria da praça central. A madrugada e os noctâmbulos sempre presentes fizeram desse momento, enigmático. Desavenças e luzes de sangues escuros corriam pelo gélido concreto. Todas elas. Lembranças de ilusões envilecidas. Seus olhos escuros, de verdes cítricos que pintavam a calçada suja e gasta pelos passos de seres inconscientes, se apagavam. Continuava imóvel ao relento, gotejando mistas tristezas alegres.

O inferno surgia-se do alto. Um vermelho desmaiado iluminou a praça, a calçada, Bruno. Não. Não era mais Bruno. Nem era. Eram restos de sentimentos impuros. Fragmentos de preceitos falidos. Desmaiados seres rastejavam sobre sua massa. Ressentimentos e contos desgraçados. Restavam lembranças de verdes paisagens.

O último fio de calor era dissipado pelo vento frio de ressacas e marés e nada se via. Nada se veria. Nem por si nem pelos seres que o coabitavam. Não se sabe se eram falsas as culpas que carregava. Talvez, ele fosse falso. Colhiam flores mortas os seus próximos. Roma de falsos cognatos.

Continuava imóvel e já era desagradável aproximar-se, tamanho odor que exalava. Havia se ido. Haviam-se ido sonhos. Decepados verões futuros que não se fariam existir. Dali para frente era gélido. Invernos perpétuos tomariam conta de seu corrompido coração. Assim como silêncios.

Fabulando a surpresa do fato vieram e tentaram salvá-lo. Pulmões consumidos a todo vapor e vapores. Coração petrificado. Todo corpo decompunha-se. Todo povo decompunha-se. Afastavam-se da nostálgica cena insalubre. Chuvas salgadas se debruçavam sobre recordações de horas perdidas.

E o tempo fez-se passado. Bruno fez-se lembrança. Eulália se matou em próprias violências. Restava o mundo. Fragmentadas ilusões pacíficas. Verdes cinzas de versos frustrados.

Emerson Fraga

Emerson Fraga

Estudante do 3º ano do ensino médio do Colégio OLY.
Colunista e colaborador do Jornal Mercadão, da seção de cultura do site TUDOIN e do site litetrário Garganta da Serpente. Soma 26 prêmios artísticos, científicos e literários. 1º e 2º Lugar no III Concurso Nacional de Conto de Cordeiro (RJ)/Troféu Lygia Fagundes Telles. "Medalha de Ouro" pelo 1º Lugar Juvenil no III Concurso de Poesias "Letras do Divino", em Itanhaém-SP. "Medalha de Prata" pelo II Concurso Gente Miúda de Conto - Medalha Monteiro Lobato, promovido pela Academia PanAmericana de Letras e Artes. 1º Lugar Juvenil do VI Concurso Kelps de Poesia Falada (2007). Selecionado para antologia do IV Concurso Nacional de Literatura de Caçu nas categorias conto e poesia. Campeão da XXXI SACEM em conto, crônica e fábula. Premiado no Concurso Literário Internacional - Prêmio Cidade de Conselheiro Lafaeite (MG) na categoria crônica. Vencedor do concurso de texto e imagem ambiental "Minha Cidade é Meu Planeta", promovido pela Revista Época e British Council. Vencedor nacional de texto na 4ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente. Delegado brasileiro no Fórum Internacional Estudantil 2007, em Londres.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Tony Fraga
23/01/2007 21:48

Um remanescente

Boa noite Wemerson! Obrigado pelo presente que me deste ao indicar o texto verdes cinzas. É formidável encontrar pessoas com tão belo talento para escrever. Já não se percebe atualmente tanto interesse nas pessoas para escrever e isso parece está se perdendo no decorrer do tempo. Mas não é o que acontece contigo; ao contrário, tu tens mostrado para cada um de nós, teus leitores que escrever é muito mais que um ato, é uma bela arte que junta sutileza, maestria, criatividade, dedicação e, sobre tudo o desejo da compartilhar com as pessoas as melhores coisas que um escritor pode oferecer a alguém. Parabéns! Um forte abraço
Cláudia Alves
31/12/2006 16:28

Verdes Cinzas

Gostei muito de seu texto. Parabéns!
Carlos Emanuel da Costa
30/12/2006 23:58

Louvável...

É louvável o jovem escritor conseguir transmitir-nos o doce sabor da descoberta entre linhas de um texto. Congratulações pela crônica belíssima e pela sútil maneira de escrever sobre este assunto, tão polêmico.
Renan Alves Melo
24/12/2006 23:11

...

E como se não bastasse mais uma prova de que Wemerson Charlles faz literatura de verdade. Texto profundo e digno de reflexão. Nas escritas deste autor, nada se faz evidente, todo o tudo requer um mínimo de reflexão, um mínimo de atenção. Continue com essa linha de texto, por que Inhumas já está cansada de uma certa mesmice literária. Abraços e feliz natal.