Publicado em 26/08/2010 11:44

50 anos de Rádio Jornal de Inhumas

Os sinceros parabéns da equipe do site TUDOIN à direção da Rádio Jornal de Inhumas


“Mão tem memória”


Cândido Portinari

Cabe-me aqui registrar e agradecer profundamente ao que se tornou parte indissociável desta promenade que continua em processo, o nome Lúsio de Freitas Borges (in memória), e Nilta Elias B. Freitas. É com esse sentimento que venho aqui mais uma vez, e quantas se fezerem necessárias ao ‘bem’, compartilhar com o editor deste jornal e com seus leitores, e em especial ao casal Napoleão e Elma Paranhos a quem dedico este artigo. Saibam, sou grata pela amizade, carinho, atenção e apreciação de meu texto.


Explode no mundo a violência, terror, sequestro, assaltos, assassinatos, corrupção, tortura, humilhação, fome, dor, violência disseminada, compartilhada, globalizada. Enquanto isso, aproximadamente a quarenta quilômetros da capital goiana, busca se emoldurar a realidade a partir de uma visão fortemente dominda pelo “primitivo” homem, que rompe com os esquemas lógicos do pensamento e encontra o caminho mais apropriado para a conquista, pelo homem da liberdade e do desenvolvimento aqui compartilhados.


É necessário dizer, que embora o homem sujeito a apelo midiático preserve o livre arbitro na convivência com o outro. No entanto a história da criação da emissora de comunicação Rádio Jornal de Inhumas, que completou 52 anos desde a sua implantação com registros na cidade do Rio de Janeiro em 5 de março de 1.957 e inauguração em 19 de junho de 1.960 no extinto Cine Flórida, Inhumas, com a transmissão da primeira missa de Brasília; passa evidentemente pela historiografia que vem se compondo em nossa amada cidade de Inhumas geograficamente situada no Estado de Goiás.


Nomes como o de Manoel Basílio de Souza, Luiz Gonzaga Fleury, Luiz Henrique Pucci, Jorge Antônio Fernandes, Nelson Henrique Rocha, Francisco Kosloqui (este sugeriu o nome e desenhou o papagaio que se tornou logomarca da emissora), passando por políticos prestigiosos como o senhor Anízio Rocha deputado federal à época, o senhor Paulo de Castro que era deputado estadual. O decreto foi assinado pelo senhor ministro das comunicações Amaral Peixoto genro de Getúlio Vargas ex-presidente da República. Seguidos dos políticos os senhores Sebastião Guerra e  Elpídio Luiz Brandão. Porém o nome de Lúsio de Freitas Borges é, sem dúvida, o que se destaca por ser o idealista e mentor da obra que se tornou parte importante e responsável no desenvolvimento sócio econômico e cultural da cidade de Inhumas. Parabéns à direção da Rádio Jornal de Inhumas.


Ivone O. Silva
é relações públicas e escritora
Esta notícia foi publicada originalmente no Jornal O GOIANÃO

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)