Publicado em 26/12/2006 14:08

Ao deficiente, com carinho

Muito aplaudida a peça de teatro natalino apresentada por crianças atendidas na Associação Pestalozzi

Muito aplaudida a peça de teatro natalino apresentada dia 9 de dezembro por crianças atendidas na Associação Pestalozzi de Inhumas. Público superlotou o Auditório Renato Balestra da Prefeitura. No intervalo, familiares de pacientes manifestaram gesto de agradecimento ao empenho e dedicação dos gestores da instituição não-governamental e de cunho social.
 
Dia 18, houve confraternização na sede, quando de repente, aparece Papai Noel  distribuindo presentes à criançada. Foi aquela festa.
 
Associação Pestalozzi, entidade sem fins lucrativos, presta assistência médica a portadores de deficiências especiais. Funciona à Rua Sizelízio Simões de Lima, 60, centro, prédio cedido pela Prefeitura pelo prazo de dois anos. A diretoria, formada por membros da comunidade tem gestão de dois anos, conforme o estatuto. Ela vem angariando recursos para construção da sede própria no Setor Teodoro Alves, terreno doado pela municipalidade e aprovado pela Câmara Municipal.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

José Carlos Henrique
28/04/2006 11:00

Reflexões

Acredito realmente que temos muitos valores que andam esquecidos.Por isto quando vc lembra de precursores louvo a iniciativa.Cultura não deve ser vista como apenas o que aparece em jornais e revistas.Há uma riqueza cultural imensa perdida por aí em causos, rezas, no dia-a-dia.Parabéns Gleidson e João Arantes por nos fazer ver isto mais claramente.
Gleidson
27/04/2006 03:54

CULT

Gosto porque acho coerente a forma de pensar do Joâo Paulo, esse nosso cientista da cultura. Assim, o pensamento nacional nascido de análises da localidade, ganha legitimidade numa valorização de nossa identidade. Parabéns pelos textos!
João Paulo de Paula Silveira
26/04/2006 17:58

Popular X Erudito

Fico feliz que meu texto tenha servido de elemento problematizador da cultura municipal. Um aspecto ainda interessante, subjacente em meu texto, é o abandono das dicotomia clássica Erudito X Popular. Tal divisão ainda transita por nosso imaginário, lavando-nos a excluir uma série de experiências impressas em musicas, poesias etc... proveniênte de setores da sociedade menos privilegiados economicamente - como uma pessoa pobre pode produzir arte? Uma atitude não só consciênte, mas ainda respalda por teóricos de peso, como Carlo Ginzburg, nos permite entender a mobilidade dos simbolos entre camadas sociais de todos os tipos, econômicas, políticas, de gênero, etc..., pulverizanado a comum dissociação entre a cultura do alto e a cultura de baixo...Vide um marxista no sertão...