Publicado em 10/09/2007 17:11

Estado homenageia inhumense

A inhumense  Dorotéia Luíza de Freitas Montes, diretora-executiva estadual da Ação Para-Maçônica...


A inhumense  Dorotéia Luíza de Freitas Montes, diretora-executiva estadual da Ação Para-Maçônica Juvenil de Goiás (APJ) e preceptora do Núcleo Alfa Guardiões do templo APJ de Inhumas, foi homenageada com a Medalha do Mérito Legislativo Pedro Ludovico Teixeira, a mais importante comenda para personalidades que prestam relevantes serviços ao Estado. A solenidade foi realizada dia 20 de agosto  - Dia do Maçom -, na Assembléia Legislativa de Goiás. A entidade, de cunho social para jovens, é um projeto da Loja Maçônica Grande Oriente do Brasil. Na foto, a homenageada  ao lado de Fátima Oliveira Leal vice-presidente Nacional da Fraternidade Feminina Cruzeirodo Sul, e da deputada Mara Naves. A parlamentar e seu colega cel. Queiroz, apresentaram a propositura na Assembléia.

Naturalmente muito satisfeitos também, o esposo Luiz Antônio Montes, ex-venerável da Loja Maçônica Otávio Balestra - mantenedora da APJ de Inhumas -, e os filhos: Diogo Luiz de Freitas Montes  presidente da APJ de Inhumas, e Luiz Júnior também apejotista.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Miguel Mendes Luz
05/04/2007 22:51

Orgulho

Me pergunto: Porque a cidade de Inhumas não valoriza escritores bons como esses dois rapazes- Renan e Charles? Porque a Câmara Municipal que têm uma Comissão de Educação e Cultura não apoia nem promove eventos culturais? Porque nenhuma secretaria da prefeitura incentiva concurso literário? Afinal, a vocação da ALCAI é de fechar em torno de si mesma. Esses rapazes entre tantos outros são bons. Já li, aqui mesmo neste portal alguns de seus textos.Aliás, a produção nas áreas da literatura, artes plásticas não tem demostrado nos últimos 20 anos, nenhum novo talento em Inhumas. A cultura local é lembrada a parte da exumação de artistas já falecidos, lápide para os recém nascidos. Os que estão ainda VIVOS. FALTA METAS PARA PENSAR UMA POLITICA CULTURAL EM INHUMAS. OXALÁ nosso futuro.