Publicado em 18/01/2008 10:23

FEBRE AMARELA - SES-GO adota medidas de contenção

Esse anúncio foi feito durante entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira, 21 de dezembro, no Gabinete do Secretário, onde participaram a coordenadora de Vigilância de Zoonose do MS, Rosely Cerqueira, e Cairo de Freitas. O secretário alerta que Goiás chegou a uma situação alarmante, já que houve um aumento muito grande de mortes de macaco em áreas urbanas, o que torna o fato mais grave.

       Após a notificação de morte de macacos em 28 municípios goianos em decorrência da febre amarela silvestre, SES-GO alerta população e municípios para necessidade de vacinação e controle de vetores. O titular da Secretaria da Saúde do Estado  de Goiás (SES-GO), Cairo de Freitas, esteve nesta quinta-feira, 20 de dezembro, no Ministério da Saúde (MS), para discutir a situação preocupante que o Estado enfrenta com relação à febre amarela. Até o momento já foram notificadas mortes de macacos por febre amarela silvestre em 28 municípios goianos. Deste total, foram confirmados três óbitos pela doença, sendo dois em Aparecida de Goiânia e um na Capital. Diante deste quadro, foi deflagrada uma campanha conjunta (Estado, municípios e MS) para vacinar a população não vacinada ou vacinada há mais de 10 anos, fazer controle de vetores (o mosquito Aedes aegypti é o principal transmissor da febre amarela) e intensificar a vigilância dos casos de óbito.
       Esse anúncio foi feito durante entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira, 21 de dezembro, no Gabinete do Secretário, onde participaram a coordenadora de Vigilância de Zoonose do MS, Rosely Cerqueira, e Cairo de Freitas. O secretário alerta que Goiás chegou a uma situação alarmante, já que houve um aumento muito grande de mortes de macaco em áreas urbanas, o que torna o fato mais grave. “As cidades cresceram rumo às zonas rurais. Com isso, nós, humanos, acabamos invadindo o habitat natural dos macacos”, justifica. Cairo de Freitas alerta a população para que não persiga os animais, por conta do risco da doença e sim tome as medidas de prevenção à doença: vacinação e combate ao mosquito Aedes aegypti.
       Estima-se que em Goiás existam cerca de 800 mil pessoas não vacinadas, o que corresponde à cerca de 15% da população do Estado. A coordenadora de Vigilância de Zoonose do MS destaca que houve neste ano registro de febre amarela em outros estados brasileiros, porém a situação de Goiás é a mais preocupante por ter registro de casos de epizootia (morte ou ocorrência de doenças em animais) em mais municípios. “Por conta desta situação, o Ministério da Saúde dará uma assistência irrestrita ao Estado, desde a disponibilizarão de doses de vacina suficientes para a cobertura de toda população não imunizada, a ajuda no controle de vetores e acompanhamento, vigilância, dos casos de óbito pela doença”, informa Rosely Cerqueira. Cairo de Freitas anunciou que o MS liberou R$ 500 mil para a aquisição de materiais necessários à vacinação (seringas, agulhas etc.)


Plano de combate – Representantes dos municípios onde houve registro de casos de febre amarela reuniram-se com Cairo de Freitas, na manhã desta sexta-feira, para a elaboração de ações de curtíssimo prazo para controle da doença. No dia 27de dezembro, foi apresentado um plano de combate à febre amarela, que inclui todos os municípios goianos. As ações serão deflagradas a partir do dia 2 de janeiro de 2008. Enquanto isso informa Cairo de Freitas, as ações de rotina estão sendo intensificadas. “Uma das grandes dificuldades enfrentadas é o desconhecimento da população sobre a necessidade de se vacinar”, destaca o secretário. Entre as medidas adotadas neste plano, estão o trabalho educativo junto à população, no sentido de incentivar à vacinação e o controle do mosquito Aedes aegypti; contratação e qualificação de pessoal para o melhor diagnóstico e controle da doença, providenciar infra-estrutura adequada no Hospital de Doenças Tropicais – unidade da SES-GO – para atender casos e diagnosticar a doença, providenciar recursos necessários ao combate ao mosquito (bombas inseticidas etc.), vigilância da morte de primatas (macacos) e a busca ativa (ir atrás da população não vacinada).
       As pessoas interessadas em tomar a vacina devem procurar os postos de saúde dos municípios, onde a vacina encontra-se disponível, por ser uma imunização de rotina. É importante levar o cartão de vacinação (quem tem). A vacina é recomendada para pessoas acima de 9 meses de idade, que nunca se vacinaram ou que tomaram a vacina há mais de dez anos. Somente as gestantes não devem ser vacinadas.
Casos em Goiás – Em abril deste ano, foram confirmados dois casos de febre amarela urbana (FAU) no município de Jataí, que levaram a óbito. Ambas as vítimas nunca tinham tomado a vacina. Desde então, a SES-GO vem intensificando a vacinação contra a doença. Isso porque – de acordo com a Coordenação Estadual de Imunização da Spais/SES-GO – a incidência de casos de febre amarela ocorre em ciclos de 5 a 7 anos. Como os últimos casos registrados em Goiás, anteriores a estes, foram nos anos de 1999 e 2000, em 2007, provavelmente, o Estado poderá enfrentar casos da doença. Goiás encontra-se na região endêmica brasileira para febre amarela silvestre (FAS), pela manutenção do vírus amarílico entre os hospedeiros naturais.
       Em 1999, foram registrados 12 casos de FAS, com cinco óbitos. Em 2000, registrou-se 54 casos de FAS com 24 óbitos. Desde 2001, Goiás não confirmava nenhum caso de febre amarela em humanos.
Em 2007, já foram notificados dezenas de casos em 28 municípios goianos.

 

Fonte: Jornal A VOZ
Por: Claussius

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)