Publicado em 22/02/2008 00:44

GOIÂNIA QUER A COPA

Goiás entra na briga para ser subsede do Mundial; Governador começa trabalhos para cumprir as exigências da FIFA

Confirmado o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014, começa a disputa das cidades interessadas a sediar o Mundial. Alguns trabalhos para atender as exigências da Federação Internacional de futebol (FIFA) já foram iniciados. Ao todo, dezoito capitais concorrem receber os jogos, no entanto, apenas 12 localidades serão indicadas. O País tem até 31 de outubro de 2008 para anunciar as cidades escolhidas.

 

O governador Alcides Rodrigues (PP) acredita que o transporte da Capital, a boa localização do estádio Serra Dourada, com seu amplo estacionamento, a hospitalidade do povo goiano, a excelência dos serviços médicos da capital e os crescentes investimentos em segurança pública favorecem a escolha de Goiânia para pleitear os jogos.

 

Cidinho, como é conhecido Alcides, faz campanha em busca de parceria com a iniciativa privada para dar recursos necessários para o cumprimento das obrigações que o caderno de encargos exige. Em troca, a cidade melhora sua estrutura, beneficia o turismo e fortalece economicamente.

 

Entre os itens analisados pela FIFA, estão o uso da verba disponível para o evento, venda de ingressos, estádios, estrutura para treinamentos, facilidades para a mídia, possibilidade de realização de congressos e eventos, segurança, telecomunicações, transporte, capacidade de acomodação.

As cidades que concorrem a subsedes são: Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Brasília (DF), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Maceió (AL), Manaus (AM), Natal (RN), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

O Rio de Janeiro já se considera palco da final, porém, a disputa para a abertura promete ser acirrada. Brasília vai medir forças com São Paulo e Minas Gerais. Praticamente todos os países que receberam a Copa do Mundo tiveram a abertura ou a final na capital, o Distrito Federal esperam que aconteça o mesmo com o Brasil.

 

Apesar de toda comemoração, vale ressaltar que o evento não está completamente garantido. Não existe um decreto ou lei que obrigue a FIFA a garantir a realização do torneio no país. A organização pode nomear outro país como sede se o Brasil não cumprir várias obrigações que estão no caderno de encargos.

 

Depois de mais de cinco décadas de espera, o país do futebol vai voltar a receber um Mundial. Os brasileiros acreditam que esta é a oportunidade de mostrar para o mundo que o Brasil não se resume em samba, mulher bonita e violência, além do futebol, é claro.

 

A Copa do Mundo é o segundo maior evento desportivo do mundo, ficando atrás apenas dos Jogos Olímpicos de Verão. É realizada a cada quatro anos, tendo sido sediada pela última vez em 2006 na Alemanha, com a Itália como campeã, ficando a França em segundo lugar. Em 2010, vai ser na África do Sul e em 2014 no Brasil.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Augustus Mendonça Villasboas
16/09/2007 14:20

Assim caminha a humanidade...

Caríssimo Neilton, o caso Olício Vilaverde é fácil de ser entendido. Quem tem memória sabe, por exemplo, de quando ele VENDEU apoio para um partido aliado da situação da época (o PMDB antes de Marconi ir para o PSDB) pagando assim altas dívidas pessoais (ou seja, péssimo administrador). E, assim ele faz, sai por ai à venda. Não existe político mais a venda em Inhumas do que Olício Vilaverde. Quanto à sua saida da Secretaria de Saúde, bem, precisa dizer mais?! E, no mais, é assim: já que a legislação permite, feito fez Alcides Rodrigues. mentem que tá tudo bem durante a campanha, compram as demais opiniões com os famosos cheques reforma e cartão cidadão e ninguém faz nada, nem o Ministério Público, visto que as Ciências Júridicas de hoje em dia já ensinam, desde as faculdades, a cultura do quem pagar mais, vale mais.
neilton carlos
10/09/2007 15:37

seis mio,vai robá no mato

Gostaria de saber como esse nosso prezado Olício independente de que esteja no poder ta sempre na situação?é no minimo curioso!A propósito a saída dele da secretaria da saúde ficou até hoje muito mal explicada!
eustáquio
08/09/2007 15:42

....

a colocação de Vilas Boas sobre essa vila ruim é no mínimo curiosa. Gostaria de ser governado por Nero!
Welington Rodrigues
06/09/2007 11:59

Emprego

Augustos, os números são bons indicadores para análise e devem ser observados com bastante responsabilidade e imparcialidade. Da mesma forma é importante questionar a fonte, mas o principal é observar o período dos dados analisados. Os números apresentados na matéria podem sim ter sentido, mas temos que chamar a atenção para o seguinte: pode ser que no período a usina de álcool tenha contratado mão-de-obra local para suprir seu aumento de produção, ao invés de contratar mão-de-obra do nordeste como é de costume; Outra, como os jovens estão saindo do município em busca de emprego, diminui o número de pessoas pressionando o mercado local. Sugiro que vc. leia meu livro Por que Inhumas é assim? para que vc. entenda a questão do mercado de trabalho em Inhumas, pois a análise é de dez anos.
Augustus Mendonça Villasboas
02/09/2007 16:25

Até quando...?

Fácil demais!!! Com números podemos construir qualquer realidade. Entretanto, é bom lembrar que números não são pessoas. Na verdade, sejamos honestos, o Abelardim tá doidim pra provar que ele, feito o Alcides Rodrigues, mentiu. E, como tantos outros, não cumpriu suas principais promessas. Emprego é uma delas. Fez o que qualquer outro faria: uma administração feijão-com-arroz, só pra não repetir o Luiz Otávio, ou seja, um desastre. Até quando haverá em nossa política (a política brasileira) a cultura de mentir tanto. Fundamentalmente nas vésperas de eleições?! Até quando tanta falácia?! Detalhe: cheques moradias e cartões cidadania agora só nas eleições. O EsqueCIDINHO não tá pagando ninguém. Mas, tenho certeza que, nos dias das eleições os cheques reaparecerão. Servindo como azeite, feito manteira que se passa num pão, os cheques servirão para que o povo engula o engodo Abelardo Vaz mais uma vez.