Publicado em 03/02/2009 04:31

Notícias variadas segundo a visão do Jornal O GOIANÃO

Notícias variadas segundo a visão do Jornal O GOIANÃO

O  PROFESSSOR

Muito apropriada a declaração do ministro Fernando Haddad quando ele diz que o principal protagonista da educação é o professor. A sociedade precisa olhar para esse profissional como alguém sério. A  classe merece remuneração digna e formação continuada.

 

ORGÂNICO

De olho em um mercado que cresce 10% ao ano, agricultores goianos estão aderindo à produção orgânica de alimentos como hotaliças, frutas, raízes, e até leite e carne. Além de investimentos em produtos com aceitação crescente essas pessoas optam por produzir de uma forma mais saudável, evitando intoxicação por agrotóxicos. Muitos deles se tornaram adeptos de alimentos  orgânicos antes de começarem a produzir.

 

ICMS

Do novo Índice de Participação dos Municípios (IPM) 145 municípios perdem transferências de recursos do ICMS, entre eles Inhumas (19,24%  menor). O cálculo de autoria da Comisssão de Elaboração dos Índices de Distribuição do ICMS (Coíndice), foi aprovado pelo Conselho Deliberativo da comissão.

 

RENÚNCIA

O cantor Frank Aguiar renunciou ao mandato de deputado federal para ser vice-prefeito de São Bernardo. Em Goiás Henrique Meirelles foi eleito deputado federal em 2002 e desistiu do cargo para assumir a presidência do Banco Central. Não é uma forma de infidelidade para com o eleitor?

 

EMPREENDEDOR

A  partir de julho deste ano, os donos de pequenos negócios informais terão redução de impostos federais, estaduais e municipais, além da possibilidades de se inscrever na Previdência Social pagando alíquota reduzida de 11% sobre  o salário mínimo. Com este incentivo tributário e previdenciário, o governo espera formalizar cerca de 10 milhões de brasileiros que hoje trabalham por conta própria e têm renda suficiente para contribuir para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) mas não o f azem, segundo dados do IBGE. O decreto regulamenta a criação da figura do Microempreendedor Individual do Programa Simples Nacional (MIPSN).

 

RECICLAGEM

Papéis: jornais, caixas de papelão e outros, quando limpos, são recicláveis. Não recicle papel impregnado de material orgânico, como caixas de pizza engorduradas. Plásticos:  podem ser reciclados sacos de supermercado, garrafas de refrigerantes e até brinquedos quebrados. Tecidos:  todos são recicláveis. Vidros:  de qualquer cor, são recicláveis quando limpos e secos. Lâmpadas não são recicláveis como os vidros comuns, pois contêm elementos químicos, como o mercúrio. Metais:  além das latas de alumínio  (de refrigerante e cerveja, por exemplo), as de óleo e de conservas podem ser recicladas, desde que antes sejam lavadas e secas. Informações fornecidas por técnicos.

 

CONFISSÃO  DE MÃE

Certa noite, na época em que eu estava procurando emprego, minha filha de 15 anos exclamou de repente: “Mãe! Tem um emprego aqui no jornal para a senhora”.
- Leia para mim - pedi.
E ela leu: “Procura-se governanta. O serviço inclui cozinhar, lavar e passar roupas e outras tarefas de casa”. Logo que acabou de ler, deu um suspiro e disse: “”Ah, deixa para lá, mamãe!”
- Por quê - perguntei.
Minha filha respondeu: “Porque o anúncio pede experiência”.

 

DENGUE

Estando em curso o período chuvoso do ano, aumentando o risco de se contrair dengue, impõe-se a realização de todos os procedimentos de saúde, mas também é preciso que a população colabore e, no caso, da defesa da própria saúde de cada cidadão.

 

TÁ MALUCO?

Tempos difíceis. O homem vinha andando pela  Avenida Domingos Neto, falando sozinho: “Quarto, sala, cozinha, banheiro... Quarto, sala, cozinha, banheiro...”
- Que é isso? Tá maluco? - perguntou um amigo que passava.
O homem coçou a cabeça, desconcertado: “Não... É que minha mulher vive me pedindo que eu decore a casa”.

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Cristiano M. da Silva
24/09/2008 13:41

Para não ser apenas mais um

São palavras bonitinhas sim, mas, não tão coloquiais (informais). E, se você também respondeu, que bom, também entendeu. A questão é que já fiz parte dessa história. Já fui estudante universitário e passamos por perigos bem maiores do que esse de tirar dinheiro de onde não tem para pagar o transporte. Na época fizemos um documento com 10 cláusulas e candidatos de ambas as partes em disputa pela prefeitura assinaram. Levamos para o cartório e registramos. No fim das contas, obtivemos divisões, discórdias ainda maiores e nenhum resultado. Bem, cada geração expressa seu ímpeto de juventude à sua maneira e época, não é mesmo?! De qualquer forma, fica essa dica de quem já esteve nessa briga até o pescoço.
fulano
22/09/2008 14:41

resposta

Primeiramente não ligo a mínima para as regras de gramática, o importante é a comunicação, já que o sr Cristiano respondeu é porque entendeu. O recado esta dado, você Cristiano de palavras bonitinhas e coloquiais não esta com nada isso é apenas verbo coloque no campo da ação e merecerá meu respeito. Com certeza se fizesse parte dessa comunidade acadêmica de merda já tinha boicado estas taxas a muito tempo. Infelismente vocês são uns estudantes de bosta
Cristiano M. da Silva
22/09/2008 11:30

CRITÉRIO COMUNITÁRIO

A fala do senhor "Fulano" é legítima, porém, carece de qualidade, inclusive acadêmica, ao denunciar uma realidade dura para aqueles que mal conseguem custear os estudos, quanto mais bancarem transporte ou moradia estudantil. Há muitas faces nessa história e também fases, como escreveu o "Fulano", cometendo um equívoco gramatical, além de um provável ato falho. Entre tantas questões, é bom observar que, em tese, não é ilegal a exploração dessa demanda por parte de seja quem for, ainda que algum dono de carro ou empresa de transporte tenha vínculo familiar com algum político no poder. Nesse sentido, é bom que os estudantes consigam tirar a discussão do foco partidário. O que tem atrapalhado o debate sobre o assunto é que muitos estudantes usuários do transporte escolar, fundamentalmente aquele "bancado" pelo poder público, aproveitam-se da situação para fazerem campanha partidária, para repetir e disseminar entre os colegas universitários as crenças, as convicções, as posições partidárias de suas famílias. O primeiro passo no rumo de melhor solução a ser tomado pelo estudantado inhumense é a neutralidade partidária enquanto estudante usuário do transporte escolar. Se os debates sobre o problema estiverem pautados nesse primeiro passo, com certeza teremos melhores soluções para a questão. Em outras palavras, a solução não está na eleição de um candidato do PP ou do PMDB. A solução está na eleição de ambos como preocupados com a dignidade de nosso povo, de nossos jovens. Assim, o estudante deve entender que esse assunto não pode mais ser debatido e trabalhado apenas no período eleitoral, mais precisamente, a cada quatro anos. Esse é um debate diário, até pelo fato de estar ligado a outras questões também sérias em Inhumas e que, curiosamente, dependem muito mais da postura e participação comunitária do que político-partidária.