Publicado em 26/02/2007 09:56

Voto facultativo

A política, antigamente, era mais verdadeira. Os partidos não tinham os nomes cheios de letras...

Acho que a política, antigamente, era mais verdadeira. Os partidos não tinham os nomes cheios de letras, como os de agora. Se tinham, ninguém ligava. O que valia era os nomes que o povo lhes dava. Em Quirinópolis, onde trabalhei, os partidos  eram dois: os ratos e os gatos.

Não era preciso dizer mais nada. Todo mundo compreendia o jogo político. Cada partido queria se sobrepor o outro. Gato quer comer rato. Rato quer ser isca para cachorro pegar gato. Em Inhumas essa briga-festa era marcada por foguetes, provocações, passeatas, pinga-fogo, quartéis.

O que fazia uma pessoa ser de um partido ou de outro? Não era ideologia. Ideologia é o conjunto de idéias que dizem o que o partido vai fazer, se ganhar o poder. Ninguém pensava nisso. Ninguém brigava por idéias. A graça estava na guerra, muito embora não se pensasse no "para que" da guerra. Era igual torcida de futebol.

Sempre me pergunto: o que faz com que uma pessoa seja torcedor de um time e não de outro? Será que essa pessoa, antes de pôr suas emoções num time, faz um estudo de todos os times, para analisar os seus estilos, a classe dos seus jogadores, a honestidade dos seus dirigentes - para só então tomar a sua decisão? Não. Não há razões objetivas para se torcer por um time. Então, que faz com que uma pessoa fique tão perdidamente apaixonado por um time? O que leva a essa paixão? Sei lá... Sei que não é por causa dos jogadores porque os jogadores são mercenários, não são torcedores do time em que jogam. Jogam porque são pagos e se outro time pagar melhor ele vai mudar de time. Também não é por causa dos cartolas, freqüentemente envolvidos em falcatruas. O tipo físico dos cartolas, inclusive, nada tem a ver com o tipo físico dos jogadores. A torcida se constituiu em torno de um nome, o nome do time. Torce-se por um nome e por uma camisa. E por causa desse nome e dessa camisa cometem-se os assassinatos mais estúpidos. Um torcedor vestido com a camisa de um time adversário é um inimigo que merece apanhar até morrer. Assassina-se por uma camisa.

Assim era também a política. Era? Era. Só que agora, ao invés de nomes de bichos como ratos, gambás, tatus, macacos, porcos-espinho, cobras, os nomes se encheram de letras cujo sentido poucas pessoas sabem. Na verdade cada letra vale por uma idéia, mas a idéia, com o passar do tempo, foi mumificada e ninguém pensa mais nela.

O que distingue os partidos? Quais são os seus ideários? É difícil deduzir, por aquilo que os políticos falam. Todos dizem a mesma coisa. Todos prometem mais empregos, mais crescimento econômico, mais segurança, mais educação. Se, vez por outra, celebram-se alianças, não é por convergências ideológicas, mas por conveniências eleitorais. Cada eleição é um grande "Campeonato Brasileiro" em que cada time quer ganhar a taça. Quem ganha uma taça se assenta no poder, até que venha o novo campeonato.

O que leva uma pessoa a se ligar a um partido? Há aqueles que dizem que não lhes interessa o partido, mas a pessoa. Isso equivale a dizer que não torce por um time, mas por um jogador. O que é meio esquisito porque o jogador só pode fazer gol se estiver jogando num time. Os políticos trocam de partido como os jogadores trocam de time. Mas, diferentes dos jogadores que não têm como furtar-se ao teste anti-dopping, os políticos saem de campo e demitem-se quando têm de submeter-se ao teste anti-corrupção.

Mas o fato é que há, na política, políticos que não são políticos, não torcem pelo time em que jogam. Se o árbitro apita impedimento do atacante adversário que fez o gol, ele vai ao juiz e diz que o atacante não estava impedido. Eles não agem em função dos interesses dos partidos, senão em obediência àquilo que consideram ser a verdade e o bem comum. Parecem-se mais com profetas solitários, vozes que clamam no deserto. Sua vida política é curta. Por isso eu os admiro.
O referendo sobre o desarmamento foi impressionante por duas razões. A primeira delas pela primeira vez ocorreu uma votação em torno de uma idéia e não em torno de símbolos partidários. Não houve candidatos. Não havia partido. A segunda razão: impressiona a paixão que a questão das armas provocou no povo.

A socieade se constrói sobre proibições. É proibido pisar na grama, é proibido guiar pelo acostamento, é proibido dar cheques sem fundos, é proibido roubar, é proibido matar. Uma sociedade sem proibições seria um caos. A proibição é o pré-requisito para que se configure o crime. Numa sociedade sem proibições não há crimes. Outros argumentavam a necessidade que os cidadãos tinham de armar para se defender dos bandidos. Besteira. Os bandidos são mais rápidos, atiram primeiro.
Todo mundo critica o povo por sua apatia diante dos problemas do país. Mas a apatia surge do sentimento de impotência. A corrupção é tão grande que deixa de nos provocar indignação. Face aos horrores da nossa vida política somos tomados pela convicção de nada poder ser feito. Talvez o que venha a despertar o povo de sua indiferença seja a não obrigatoriedade em ter de votar nos jogadores que irão constituir os times partidários.

Gleidson Oliveira

COMENTÁRIOS

Comentar usando as redes sociais

Caixa de comentários TUDOIN


Resposta ao Comentário (Cancelar)

Lista de Comentários

Dist. de Gás Vitória
21/01/2008 12:19

info/sócio

Somos revendedores de GLP, no MT. Qual o procedimento para tornar-se sócio?
Welington Rodrigues dos Santos
14/06/2006 08:41

Aplauso

Realmente, temos que aplaudir estas iniciativas. É uma forma importante de disponibilizar crédito mais barato, principalmente para atividades produtivas. É também um oportunidade do empresário fugir dos juros e taxas exorbitantes cobrados pelos poucos bancos varejistas existentes no País.